Ontem nós tivemos a estréia do trailer MARAVILHOSO de Rogue One, o próximo filme do universo Star Wars que estréia em dezembro. Foi lindo, eu vi o meu futuro, sentada na sala de cinema, água nos olhos novamente. A mesma sensação que tive com Star Wars: O Despertar da Força e Mad Max – Estrada da Fúria.

Enquanto eu celebrava dançando uma dancinha imaginária no escritório, uzomi choravam na internet.

Esse moço marcou um monte de gente. Ele precisava que a internet soubesse o quão frágil era a sua masculinidade.

Esse moço saiu marcaando um monte de gente. Ele precisava que a internet soubesse o quão frágil era a sua masculinidade.

Não será a vaidade masculina que está fragilizada pela presença feminina?

Não será a vaidade masculina que está fragilizada pela presença feminina?

O choro é livre.

O choro é livre.

Mas não, não foram só os uzomi americanos que choraram. Os brasileiros, obviamente, precisaram dividir com o mundo a dor de ser homem e gostar de Star Wars.

Imagem maravilhosa via Firehawk.

Imagem maravilhosa via Firehawk.

Já escrevemos exaustivamente sobre porque as protagonistas de Star Wars são importantes, sobre como você achar que Rey é uma Mary Sue não diminui a importância dela, e sobre como nós vamos, basicamente, dominar geral. Então, honestamente, eu estava meio cansada demais para desenhar para os homens machistinhas porque Rogue One não veio para acabar com os sonhos nerds deles, mas para ajudar a tornar o universo nerd mais equilibrado.

Poucas horas depois a Daniela Rigon, colega querida, me enviou essa pesquisa que é, basicamente, o desenho do porque Rogue One, Star Wars: O Despertar da Força, Mulher-Maravilha e os próximos filmes centrados em personagens femininos são tão importantes: mesmo quando somos as personagens centrais do filme, ainda sim, temos menos falas do que os personagens secundários masculinos.

A pesquisa inteira, em inglês, você encontra aqui. A metodologia da pesquisa é básica: os pesquisadores ligaram cada personagem com pelo menos 100 palavras, em mais de 2000 roteiros, às páginas do IMDB que identificam esses personagens e cruzaram essas informações com o gênero desses personagens. Os roteiros estudados estão dentro da lista de 2500 filmes de maior sucesso de bilheteria nos EUA. Ou seja, todos blockbusters.

Na esperança de fazer um desenho ainda mais evidente do problema da representação feminina nos filmes ligados à cultura pop/nerd/geek, eu fiz uma tabela com os principais filmes que estão relacionados ao mundo nerd/geek cujas informações estão na lista. Uma tentativa de mostrar para vocês como o medo DA DOMINAÇÃO FEMINAZISTA é ridícula. A gente só quer espaço e, como as empresas começam a se dar conta, estamos dispostas a gastar dinheiro para conseguirmos.

Em Vermelho: Filmes com menos de 10% de falas femininas. Em Amarelo: O único filme com maioria de falas masculinas.

Em Vermelho: Filmes com menos de 10% de falas femininas.
Em Amarelo: O único filme com maioria de falas femininas.

Escrevendo essa lista ficou ainda mais evidente o quão silenciadas nós somos no cinema (e na literatura/quadrinhos). Ver que nós não tivemos sequer 5% de falas em DOIS dos filmes do Senhor dos Anéis, e o modo como somos minoria mesmo em franquias que são suportdas no protagonismo feminino, como Alien e Exterminador do Futuro, chega a dar um desânimo. Vale destacar também que é incrivelmente sintomático que em um filme como O Cavaleiro das Trevas, que explode a geladeira aonde joga a única personagem feminina do filme, nós tenhamos conseguido míseros 10% das falas. O acalento vem da franquia Superman que, pelo menos até Snyder assumir, possuía a melhor porcentagem de falas de personagens femininas de todas as franquias apresentadas, com Superman II como o único filme com a maioria de falas feminina.

Mas vamos dar um zoom na franquia que está causando o alvoroço no momento.

Rogue One - Franquias

Não só TODOS os filmes de Star Wars até agora tem uma maioria esmagadora de falas para personagens masculinos, como o Episódio VII, que tantos homens choram por ter uma protagonista feminina, deu a maior parte das falas para personagens masculinos. E isso provavelmente não vai mudar em Rogue One.

Além de mostrar o quão absurdas são as reclamações e os medos dos fãs que machistas, esses dados apontam para um outro problema dessa nova leva de filmes: o protagonismo feminino solitário. Em O Despertar da Força Rey é a única mulher que está no centro da ação do filme. Ela é rodeada por Finn, Chewie e Han durante a maioria do tempo. Leia é general e líder dos rebeldes, mas sua participação no plot central do filme é muito reduzido e com pouco tempo de tela.

Em Rogue One, apesar do elenco etnicamente diverso, nós temos novamente uma única mulher e, por mais legal que seja ver uma mulher como uma guerreira rebelde meio loba-solitária, isso mostra que Hollywood ainda precisa aprender a preencher os personagens secundários com outras vozes que não as masculinas. Não é só colocar a Viúva Negra e a Mulher Maravilha dentro de um grupo com outros cinco caras, é preciso equilibrar de maneira real a divisão de gênero, dando mais relevância para personagens femininas. Dando mais falas também.

Apesar do que os homens machistas nerds gostam de gritar e chorar na internet, mulheres estão longe de ser a maioria nos filmes. Na verdade nós somos apenas 22% do protagonismo em filmes de Hollywood. Então, por favor, parem que tá pra lá de feio.

Se a pesquisa tivesse feito um recorte de etnia e sexualidade dentro da representação desses gêneros binário teríamos dados ainda mais assustadores. Rogue One possui diversidade étnica… Masculina. O trailer mostra apenas duas mulheres, e as duas são brancas. Está mais do que na hora de Hollywood começar a abrir espaço também para a representação feminina não-branca. Rogue One vai ser incrível, mas teria sido muito mais incrível se tivéssemos uma protagonista feminina negra, por exemplo.

Então da próxima vez que você, homem machista chato, for chorar na internet sobre COMO AS FEMINAZI ESTAO ACABANDO COM O NOSSO [inclua aqui a franquia desejada], vem dar uma olhada nessa pesquisa e entenda como nós fomos silenciadas pelos filmes e franquias que gostamos durante tanto tempo.

Não seremos mais ignoradas. Não seremos mais silenciadas.

rogue one - i rebel

  • Priscila Ponte

    Não podia concordar mais com você. Falta sim representividade, não só de mulheres, mas de vários tipos de mulheres, gordas, negras, asiáticas e etc. Tomara que cada vez percebam essa necessidade e continuem incluindo personagens femininas fortes e com mais falas!

  • Caraca, to chocada com essa tabela =O
    Homens e o mimimi deles. aff

  • João Possani

    Muito bom. Mas pedir para um homem desses “ler” e “entender” qualquer coisa fora do próprio umbigo é pedirr demais. Estão tirando a chupeta da criançona, e não importa o quanto você explique, a birra continua. =/

  • ARLINDO M F JR

    Acho ótimo que o sexo feminino esteja ganhando algum espaço dentro do universo dos filmes de ação e melhor ainda que as personagens não sejam aquela típica caricatura de um estereótipo da mulher homossexual. Mas acho que uma parte da sua análise não é razoável, vc deveria considerar o percentual de falas em função da razão entre o número de homens e de mulheres no filme, é esperado que um filme com o dobro de homens tenha o dobro de falas masculinas. O que na realidade serviria para fazer mais um diagnóstico do machismo hollywoodiano, a quantidade de personagens masculinos é muito superior às femininas. Tb não consegui entender sua análise da série Superman em relação a sua tabela. Gostaria de externar o meu desagrado com os estereótipos de homens nos filmes de ação, acho que a Netflix tem acertado a mão ao modificar um pouco isso, por exemplo quando ela escolhe um super-herói preto (pfv, ser tão politicamente correto é só uma forma institucionalizada de mascarar o preconceito), e ainda escolhe um que é um bizonho nos quadrinhos e transforma ele num fofo, não vou nem começar a falar no tabu que é um homem negro se rerelacionando com uma mulher branca; tb foi bem acertado escalar o Charlie Cox para o papel de demolidor, ele até que é bonitinho, mas é um cara normal e na primeira temporada estava até gordinho. Vc sabe o que é ver um dos seus heróis favoritos ser uma pessoa normal? E com um nariz de batatinha igual ao meu?
    Um cordial abraço,
    Arlindo Marques.

  • Faço coro pra Viola Davis para capitã da Enterprise

    • Ezequias Campos

      PUUUUTTZZZZZZ

      Ia ser simplesmente PERFEITO!

  • Ricardo Monteiro

    Correção: Em amarelo o único filme com maioria de falas femininas.

  • Andre Silva

    A lógica do seu artigo tem tanto fundamento quanto a situação hipotética de homens começarem a criticar os filmes baseados nos romances do Nicholas Spark, por não terem tanto protagonistas masculinos ou falas masculinas.

    A questão que você não está levando em consideração Rebeca, não é machismo MAS sim o público alvo. Até onde sei, em filmes de super heróis e de terror, o maior público alvo é composto por homens e convenhamos que grande parte das mulheres NÃO gostam de filmes desse tipo ou por consideraram super heróis infantis ou por simplesmente não gostarem de filmes de terror.

    Criticar o número de falas de personagens dos sexo masculino e feminino sem colocar isso em pauta é de uma extrema injustiça. É muito fácil falar em isonomia e em medida das diferenças quando você é o dono da régua. Antes de ver o homem como o explorador e achar machismo em tudo , tente ao menos ver a situação por diferente ângulos 😉

    • Collant Sem Decote

      Parece que você não sabe de muita coisa mesmo, Andre.

      Primeiro: A Walk to Remember, um dos primeiros filmes à adaptarem a obra de Nicholas Sparks tem 56% de falas masculinas. O Guarda Costas, outro filme que você poderia dizer que é feito para o público feminino, possui 63% de falas masculinas. OU SEJA, mesmo quando o público feminino é o alvo do produto, ainda sim, não temos a maioria das falas.

      Segundo: Tirou esses dados de gostos femininos do seu profundo conhecimento da ~alma feminina~, foi? Pois te digo que você também passou a vida inteira escutando que mulheres gostam de uma única coisa, romance. E colega, te enganaram. Parece que você também não sabia que mulheres foram 44% da bilheteria de Guardiões da Galáxia – mesmo o filme tendo apenas uma personagem feminina central. Tá chato isso, Andre. O Google podia te dar uma mão aê.

      Terceiro: Olha só, mais uma coisa que você não sabe. Mulheres são, na verdade, a maioria do público do cinema de horror. http://www.valmorgan.co.nz/audiences/profiles/horror-movies/

      Quarto: Vejo a situação desse ângulo
      https://media.giphy.com/media/VCeVTCWnhNQt2/giphy.gif

      • Fabio Farro de Castro

        “Até onde sei, em filmes de super heróis e de terror, o maior público alvo é composto por homens”. O sujeito comenta isso em um blog chamado COLLANT SEM DECOTE, onde boa parte dos posts fala sobre o tema super-heróis e ainda quer falar de lógica?

      • Meldels, como esses ome chora, cruz credo.

      • Lady Erudon

        Eu ia responder o colega aí, já tinha até copiado a frase dele (grande parte das mulheres NÃO gostam de filmes desse tipo), mas você fez melhor, enfim.

        Como mulher eu digo, eu prefiro E MUITO filmes de super heróis, scfi, terror e etc, … romance? srsly? Só pra passar tempo mesmo.

      • Ezequias Campos

        Só um adendo sobre público de videogames… as mulheres são maioria dos jogadores no Brasil, um pouco acima dos 50%. Outro espaço que falta MUITO representação.

        http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/2016/03/mulheres-sao-526-do-publico-que-joga-games-no-brasil-diz-pesquisa.html

        Essa visão de publico alvo tá defesadissima! Mercadologicamente é muito ruim não ter representação feminina. Além de ser um desperdício de talento.

        O que infere em NADA no que me sinto como “representado”. Não é um alienígena que está na tela né? É outro ser humano. Dane-se o gênero.

        Então, de um homem para o outro… é machismo sim, amigo.

    • Raquel Pessamilio

      Meu, para de dizer que mulher não gosta de filmes de super heróis e de terror. Isso já mudando, grande parte das mulheres gostam SIM de filmes desse tipo.

  • Heloisa Biagi

    Essa tabela é assustadora. E muito bem apontado o efeito “loba solitária”. Não adianta colocar uma protagonista mulher e rodeá-la de homens, tem que equilibrar a proporção. Parabéns pelo texto, e só digo uma coisa: vai ter mulheres em Star Wars sim!

  • josireis

    um pequeno errinho na descrição da legenda: superman returns ll o único filme com maioria de falas feeeemininas 🙂

  • Matheus Ewald

    Por que agora tem que ter cotas pra todos os gêneros ,etnias ,classes , tamanho … Não coloquem mais os atores/atrizes nos personagem por suas habilidades e qualidades , mas sim por que precisamos completar a cota no elenco .

  • Dan Ramos

    Não tinha pensado nisso. Realmente, apesar de rolarem essas “cotas” de protagonistas femininas, elas estão sempre ilhadas por muitos personagens homens.

    Possuo uma empresa de jogos (boardgames e RPG) onde estamos em um esforço pra desconstruir, e isto aqui vai me ajudar muito no futuro – especialmente porque estamos produzindo uma trilogia de literatura de um dos nossos cenários de fantasia e tínhamos muito orgulho de termos uma protagonista feminina negra, mas me dei conta de que ela também pode estar ilhada em um mundo de homens.

  • Fabio Farro de Castro

    Superman II (que quase é um empate) e Superman Returns cujas as falas femininas são maiores do que as masculinas.

  • David Wolf

    Matéria genial, vou guardá-la no meu favoritos e usar toda a vez que precisar mostrar pra macho cis o quanto o cinema ainda precisa melhorar em representatividade feminina.
    Aliás, ótima resposta abaixo, adorei o toque final do vídeo. 😉

  • Marcos Correia

    “This is a rebellion, isn’t it? I rebel.”
    Quase chorei quando ouvi isso. Como ninguém pensou nisso antes?
    E o quanto isso é significativo vindo de uma protagonista feminina.
    “Eu me rebelo contra o status quo. Eu me rebelo contra a imagem que você tem de mim. Eu me rebelo contra as expectativas que você tem de mim. Eu me rebelo contra o que você acha que eu devo ser/fazer/parecer.”
    Fantástico!

  • Os caras chorando falando que tem muita mulher protagonista, que tem que “equilibrar”.
    Meu amigo, se formos equilibrar protagonismo de gênero no cinema, só vamos ter macho em filme daqui 100 anos.
    hahahahahaha como são frescos.

  • Tiago Origuella

    Bah, muito bom. Sempre achei o máximo termos personagens femininas mais fortes na ação. 2 dos meus 3 filmes favoritos de ação têm uma protagonista forte (Terminator 2 e Kill bill). Porém esta é uma estatística que eu nunca tinha pensado. Espero que no futuro tenhamos mais roteiristas e diretoras mulheres mulheres para inverter esta estatística.

    Entretanto, vamos começar a olhar os dados do ano corrente (que sei que ainda são ruins), pois querer falar de feminismos no cinema nos anos 70 e 80 é sacanagem.

  • Spider Man O Namorador

    Amei o fato desse filme ja ter passado o Teste Bechdel já no trailer <3

  • AgN68

    É muito simples, eu gostei muito da Rey, mas está ficando claro que Star Wars está fazendo média com as mulheres, nada contra, mas como consequência me reservo o direito de assistir outra coisa. Entenda, em algum ponto gosto de me identificar com alguém em filmes de aventuras. Vamos fazer as contas: Force Awakens:
    1. Protagonista Jedi-Melhor-Até-Hoje-Nem-Precisa-Treinamento: Rey (F).
    2. Líder da Rebelião: Leia (F).
    3. Personagem-sábia-no-lugar-do-Ben-e-do-Yoda: Maz Kanata (F)
    4. Personagem-banana: Finn (M) “Homem é tudo bobão”
    5. Personagem-canastrão-bonitão: Poe Dameron (M)
    6. Malvado 1 (Mestre): Snoke (M)
    7. Malvado 2 (“Sith-que-não-é-Sith): Kylo Ren (Feio, banana e cruel)
    8. Malvado 3 (Mais-um-quase-nazista): Genral Hux
    9. Malvada 4 (ah, mulher): Phasma (única mulher tola)
    Desculpe, mas homem ou é banana ou malvado (exatamente como no Frozen), o único representante digno do “bom cafajeste” é o Han Solo… que é assassinado!!!!
    Eu não quero saber de outros filmes e do machismo deles, vários deles eu não gostei, eu sempre gostei de Star Wars e deixei para lá os defeitos da regravação do episódio 4, digo, o episódio 7 porque achei muito melhor que as malditas prequels… curti mesmo com esse viés claro.
    Só que dá para fazer personagens femininas fortes sem elas serem imitações de homens e sem fazer todos homens do filme serem infantis ou babacas.
    Mas OUTRO FILME do Star Wars com uma protagonista mulher “badass” (que parece cópia da Rey), com vilões masculinos (um de capa branca e um de capa preta) e onde até a líder que passa a missão para ela tem de ser mulher… tudo de novo? Divirtam-se, meninas, é um direito de vocês… pena que estragaram Star Wars para mim e para vários homens fazendo essa média condescendente com vocês. Dava para ser mais balanceado, desse jeito acho até ofensivo (para vocês).

  • Collant Sem Decote

    Migo, como seus comentários são sempre pertinentes vou aceitar esse aqui pra te dar uma dica: Seu nick é muito problemático. Novinha é um termo abertamente usado por homens adultos para falar de garotas adolescentes. É bem ruim.

    • Spider Man O Namorador

      oh, meu deus n sabia que esse termo era usado para essa finalidade, pronto, mudei o nick

      • Collant Sem Decote

        hahahah Que querido!
        Valeu! o/

  • Collant Sem Decote

    Tiago, feminismo também existia na década de 70 e 80. E é olhando o passado que entendemos o presente, então faz muito sentido olhar as décadas passadas sob uma lente atual, para identificar a raiz dos nossos problemas e tentar resolvê-los. Anos 70 ou 2016, os filmes tinham e ainda tem um problema muito sério de representação.

  • Collant Sem Decote

    Matheus, acho que você vive num mundo da fantasia, amigo. Pq se você lê essas porcentagens (se é que você leu o texto) e vem me falar de cotas raciais e de gênero, você só pode tá em Narnia, colegão.

  • Collant Sem Decote

    Arlindo, que bom que você conseguiu se identificar no Charlie Cox. Eu ainda estou esperando a mulher normal que vai interpretar uma super-heroína. Até lá preciso tentar me ver na Scarlett Johanson e na Gal Gadot.

    Sobre o que eu deveria ou não considerar ao escrever o meu texto, condescendência é pouca no seu comentário, hem? Não fui eu quem fiz a pesquisa, e mesmo que a pesquisa tivesse apontado o porcental de personagens masculinos e femininos você consegue ver o problema maior ainda que existiria? Porque mesmo em filmes com protagonismo feminino a maioria dos personagens são homens.

  • Collant Sem Decote

    Precisa assistir não.
    Pode deixar Star Wars todinho pra gente. o/

  • Você foi maravilhosa ao compartilhar tal pesquisa conosco, chega fiquei surpresa, nao imaginava que a participação chegava a ser tão irrisória em alguns casos, como em Senhor dos Anéis. O pouco que se está conseguindo já os incomodam, imagine que é utilizando mulheres maravilhosas como Gal Gadot e, no caso de Rogue One, a ilustre Felicity Jones. Chega a ser engraçado a ideia que eles têm de que mulheres estão “invadindo” o universo dos heróis/HQs/games, como se fosse uma praga, algo que fosse alterar a virilidade do herói ou do filme.

%d blogueiros gostam disto: