A diretora Ava Duvarney uniu-se à Oprah Winston para produzir Queen Sugar, série que adapta o livro homônimo de Natalie Baszile. Ava e Oprah já haviam trabalho juntas em Selma, filme dirigido por Ava e que a destacou como um(a) dos(as) diretores(as) mais promissoras de Hollywood.

O livro Queen Sugar acompanha a história de Charley, que vê a herança como uma chance de começar de novo e parte de Los Angeles para a Louisiana com sua filha de onze anos, Micah. A série parece torcer o protagonismo para Rona, irmã de Charley, jornalista e ativista que mora em Nova Orleans e recebe a irmã para juntas gerirem a fazenda. Além das duas a família é formada também por um irmão ex-presidiário. A série vai ter treze episódios e terminou as filmagens na semana passada. Rutina Wesley, a Tara de True Blood (e minha escolha pessoal para Tempestade), vai interpretar Rona.

Queen Sugar

Um dos pontos interessantes da série, além do protagonismo feminino negro, é que a série teve seus treze episódios dirigidos por mulheres. TODOS os episódios. Ava, que está constantemente abordando e discutindo assuntos que permeiam o protagonismo feminino e a mulher negra, conversou com a People sobre a decisão:

Absolutamente todos os episódios são dirigidos por mulheres. Isso não é uma coisa que a gente vê o suficiente. Se Game of Thrones pode ter apenas homens dirigindo pelas últimas três temporadas, então Queen Sugar pode ter apenas mulheres e pode mostrar que uma série incrível pode ser feita pelas nossas mãos e mentes.

Alguém dê um beijo nessa mulher.

Rutina falou sobre a oportunidade de participar da série:

Essa é especial. É um sonho tornado realidade. Eu finalmente consegui interpretar essa personagem maravilhosa. Eu espero que garotas cresçam pensando ‘ooo isso é lindo, ela parece comigo.

O modo como Queen Sugar está sendo criada é maravilhoso: um livro escrito por uma mulher negra, produzido e dirigido por mulheres negras que estrelam mulheres negras. Talvez seja a primeira vez na televisão americana em que esse tipo de produção aconteça.

Ava Queen Sugar

Ava apresentando a série.

Quando questionamos sobre a falta de mulheres por trás das câmeras, sempre nos respondem que não há mulheres com o mesmo nível de experiência que os homens. Bom, Ava co-dirigiu todos os episódios – sempre dividindo a função com outra mulher, um ótimo exemplo de como os diretores podem ajudar diretoras sem muita experiência à estabelecer-se profissionalmente num meio tão competitivo e predatório.

Queen Sugar vem para dar continuidade ao aumento de protagonismo feminino negro que nós vimos nos últimos tempos na televisão americana. Ter o tipo de representação de gênero e etnia que Queen Sugar promete trazer para as telas é extremamente importante. Uma equipe majoritariamente feminina no âmbito criativo ajuda a incentivar outras mulheres à participarem do meio e também ajuda a balancear não só a questão de gênero, mas também a representação de etnia dentro e fora das telas.

Não é sobre excluir homens, é sobre dar mais espaço e visibilidade para mulheres, de maneira à tornar a indústria mais convidativa e mais iqualitária.

Queen Sugar estréia nos EUA no dia 6 de Setembro, no canal OWN Network. Para mais fotos da produção, e acompanhar a equipe, eles estão no twitter.

%d blogueiros gostam disto: