Ano passado, quando da época do lançamento de X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, eu escrevi no começo da minha crítica sobre o filme o quanto eu estava dividida. Tinha acabado de sair acusações de que Bryan Singer talvez tivesse molestado um rapaz. Aquilo me dividiu bastante sobre assistir ou não ao filme, mas eu acabei assistindo mesmo assim.

Porque a gente tem essa facilidade em perdoar homens que são molestadores/espancadores?

As acusações contra Bryan Singer acabaram sendo retiradas, mas esse está longe de ser a primeira vez que um diretor de Hollywood é acusado de algo tão sério. Alguns deles são inclusive condenados pelos seus crimes, outros são fugitivos da justiça – e todo mundo acha lindo. Perdoa-se o gênio masculino, não importa qual foi o crime.

caras estupradores

Sean Penn bateu, sequestrou e colocou a cabeça de Madonna dentro do forno na década de 80, hoje ele continua fazendo filmes de sucesso e recendo Oscars. Polansky é réu confesso do estupro de uma menina de 13 anos, vive como fugitivo na Europa e continua produzindo filmes todo ano sob o olhar admirador dos cinéfilos do mundo todo. Woody Allen foi acusado por sua filha de abuso, a grande maioria dos envolvidos no mundo do cinema prefere acreditar na versão do Diretor, que diz que Mia é louca e manipulou os filhos. Ninguém parece ver a relação entre esse caso, o casamento com a filha adotiva e seu personagem em Manhattan – mesmo a atriz que faz sua namorada adolescente no filme tenha contando sobre o comportamento inapropriado de Allen. Victor Salva, que abusou sexualmente e filmou o abuso de um menino de 12 anos de idade acaba de ganhar de presente um terceiro filme para sua agora trilogia Jeepers Creepers.

Aqui no Brasil isso também acontece. Kadu Moliterno e Netinho de Paula são agressores de suas companheiras, tudo foi noticiado pela mídia e logo depois um deles foi fazer Malhação (uma série com público adolescente), e o outro continuou a carreira de músico/apresentador.

Se você é homem, e especialmente se você é homem branco, abusar de criança e de mulher pode ser recompensador.

Algumas semanas atrás saiu uma matéria que falava sobre um jogador de Magic que foi banido pela fabricante do jogo por causa de seu histórico de estupro. Aos 19 anos ele estuprou uma colega de faculdade. O caso inteiro você pode ler aqui, mas depois de ter cumprido a pena ele recebeu uma bolsa de 30.000 libras para uma universidade prestigiada em Londres. Com o banimento a internet foi a loucura, fizeram um abaixo assinado para trazê-lo de volta, afinal, ele já havia pago por seu crime (leia-se ficou três meses em prisão semiaberta).

O que esses fãs de Magic, e o que os aficionados por esses diretores e atores incríveis parecem se recusar a ver são as vítimas. A vítima do jogador de Magic, a vítima de Polansky, a filha de Woody, a vítima de Victor Salva – TODAS ELAS – sem exceção vão passar o resto da vida revivendo essa história. Mesmo Madonna, sendo a diva pop que é, vai ter que reviver isso de tempos em tempos. Porque assim como eu estou hoje falando sobre isso, sempre vão existir outros veículos de comunicação que vão abordar o assunto (muitas vezes buscando apenas a polêmica). Fora o trauma do evento que elas vão levar para a vida toda.

Mas deus nos livre falar sobre o estupro do Polansky. Deus nos livre questionar a obra de Woody Allen. Sean Penn já foi até casado com outras mulheres! Victor Salva já pagou a dívida dele com a sociedade, porque não dar a ele uma outra chance?

Eu acredito que pessoas possam se redimir de seus erros. Eu acredito que elas possam se arrepender e se tornar pessoas melhores. Eu realmente acredito.

minas fodas

Mas a gente vive numa realidade em que Anne Hathaway se tornou alvo de ódio generalizado porque SE EMOCIONOU DEMAIS quando recebeu o Oscar por Os Miseráveis (2011). Onde Shonda Rhimes, dona de uma das carreiras como produtora de televisão de maior sucesso atualmente, é chamada de Angry Black Woman exatamente por ser uma mulher negra de sucesso e sem medo de dar sua opinião. Angelina Jolie foi o pivô da separação de Jennifer Aniston e Brad Pitt, ela, que nem no relacionamento estava, foi a culpada pelo fim do casamento – não o Brad Pitt. Amal Clooney, uma das advogadas mais importantes DO MUNDO, tem que escutar que ela consegue casos assim por ser casada com George Clooney.

Essa é a nossa realidade, uma realidade de falsa simetria onde a mulher é execrada por ser feliz e ter opinião, onde a vítima é silenciada e onde o perdão ao gênio masculino é a regra.

É impossível não ver o padrão. É impossível não ver como estamos mais dispostos a perdoar um homem que estuprou do que uma mulher que se emocionou por ter alcançado um sonho.

“Ah! Mas é preciso separar a obra do autor, a obra dele em nada reflete ele como pessoa. “ Oi? Desde quando arte não é algo subjetivo? Sim, eu posso escrever sobre personagens que não tem nada a ver comigo, eu posso criar um universo completamente diferente da minha realidade. MAS, quando alguém opta por criticar a obra de um cara acusado de pedofilia, de estupro de menores, de assediar e de espancador mulheres e basear a sua crítica nesse histórico ninguém pode dizer que ela está errada.

Quero deixar bem explicado que você pode continuar assistindo os filmes de todos esses caras, assim como eu posso optar por não assistir, por criticar e ninguém tem nada a ver com isso.

Eu sei que esse é um assunto polêmico, mas se a gente não discute esse tipo de assunto então continuamos para sempre nessa repetição de padrão. Chega de passar a mão na cabeça, chega de panos quentes e chega de tapinhas nas costas. Chega de escolha o lado do agressor.

PS: Leia este artigo e me diga se, no lugar de Hathaway fosse Tom Hardy, se ele teria sido escrito dessa maneira? Tudo isso seria atribuído ao fato dele ser descolado e estranho.

%d blogueiros gostam disto: