Parece uma afirmação óbvia, não? Acontece que muita gente anda esquecendo disso.

Terça-feira, dia 19/01, saiu o novo trailer do filme Esquadrão Suicida. Confesso que não estou muito empolgada para ver o filme, mas esse trailer rendeu todo o tipo de comentário nas redes sociais.

Bem no final tem uma cena em que a Arlequina quebra o vidro de uma loja e se curva para pegar uma bolsa que ela quer roubar, não pude deixar de bufar com aquele enquadramento conveniente na bunda dela. Já estava imaginando o que aquele frame ia virar no dia seguinte e, como sempre, “desapontada, mas não surpresa”.

O debate sobre a roupa da Arlequina (e agora da Magia também) voltou a ganhar força. A Rebeca fez uma postagem maravilhosa na página do Collant no facebook sobre o assunto, então não vou falar especificamente disso. Deixa eu listar aqui alguns argumentos que chamaram minha atenção:

“A Arlequina é dona da própria sexualidade!”

“Por que a Arlequina não pode usar short? Ela gosta e se sente confortável assim!”

“Acho que se a Arlequina quer usar short e salto ela tem que usar mesmo!”

Todos esses argumentos vieram de homens cis. Eles parecem sensatos, não? Uma mulher pode sim usar a roupa que quiser, ser dona da própria sexualidade e, por que não, usar um short e um salto quando outras pessoas prefeririam calças? Aparentemente não tem nada de errado aqui.

Exceto que a Arlequina não é uma pessoa. Ela é uma personagem de ficção. Ela não existe.

konami-alerta-para-bug-que-corrompe-save-em-metal-gear-solid-v

Não, sério, olha a diferença!

Eu já ouvi esse argumento que usaram para a Arlequina com inúmeras outras personagens ao longo de anos que comecei a participar de discussões sobre cultura pop. É sempre a mesma coisa: Temos uma personagem mulher, ela é sexualizada, as mulheres reclamam desse tipo de representação e surgem homens defendendo a roupa da personagem com os argumentos acima. Engraçado que esses são normalmente os mesmos que julgam uma moça na rua de estar com pouca roupa ou não deixam a filha/irmã sair de saia curta.

Não sou grande conhecedora do mundo dos quadrinhos (e sinto que isso será usado contra mim no tribunal), mas um dos meus primeiros contatos com o mundo nerd foram os videogames, portanto é um dos fandom com o qual tenho mais contato. Sabemos que não são poucas as personagens mulheres com pouca roupa na cultura pop, então já cruzei com esse argumento.

O que as pessoas precisam entender é que a Arlequina, assim como outras personagens, não é uma mulher real que escolheu usar short e salto alto. Elas foram programadas e desenhadas com aquelas roupas por outras pessoas e, lembrando que as indústrias de entretenimento ainda são dominadas por homens, é muito plausível assumir que foram homens que escolheram como essas personagens se vestem.

Vou falar de cinema, que foi o que eu estudei. Tive uma matéria na faculdade chamada Direção de Arte, nela nós aprendíamos que desde o cenário até o figurino precisa ser muito bem pensado, a arte do filme precisa conversar com a história e os personagens, não podíamos escolher uma cor ou uma roupa sem explicar para o professor nossas motivações.

Ou seja: A roupa da Arlequina pro filme foi muito bem pensada antes de ser colocada lá.

Como já falei antes, não manjo muito de quadrinhos, mas uma pesquisa rápida no Google me mostrou que a Arlequina tinha muitos outros figurinos do quadrinho para o filme se inspirar, alguns deles até com calças, olha só! Inclusive a minha imagem da Arlequina sempre foi uma das roupas em que ela usava calça. Então por que colocaram ela de short?

laura-street-fighter-v-765x374

Porque vende. A indústria sabe muito bem que mulheres sexualizadas atraem o olhar de muitos homens e incentiva que eles consumam o produto, é só ver as reações negativas quando descobriram a armadura toda coberta da Capitã Phasma de Star Wars. Também podemos olhar Laura de Street Fighter e Quiet de MGSV, personagens que andam com roupas abertas em contextos que não fazem sentido (não, a fotossíntese da Quiet não é um bom motivo). Vários filmes, jogos, quadrinhos e outras mídias usam dessa sexualidade porque ela infelizmente ainda funciona para muitos.

Eu acho completamente válido termos representações de personagens que se sintam confortáveis com pouca roupa, isso não é o problema, a questão é que muitas dessas personagens estão lutando ou no meio de guerras, que exige no mínimo alguma roupa que possa protegê-las do combate, igual a que seus parceiros homens usam. A verdade é que a lógica da história, que seria a Arlequina usar pelo menos uma calça, fica em segundo plano porque os produtos estão muito mais interessados nos homens que querem ver a bunda dela no filme. Isso porque nem entrei no mérito da Laura ter muito peito e sair pulando nas lutas com uma blusinha.

Arlequina, Quiet, Laura… Nenhuma delas é uma mulher no mundo real que decidiu usar roupas curtas porque se sentem a vontade, elas são criações de um mundo ficcional, dominado por machismo e são usadas e comercializadas de formas que atrairão o público de homens cis e héteros. A indústria ainda acredita que a maioria do público alvo nerd são homens cis héteros (não sei quantas mais pesquisas precisam sair para eles entenderem que isso tá errado), como também acham que está tudo bem reduzir uma personagem ao seu corpo sexualizado e se isso não é machismo, eu não sei o que é. A ficção ainda é um terreno muito preconceituoso, portanto muitos ainda entendem que se existe espaço para personagens mulheres, é só quando elas funcionam em prol do homem.

Vamos parar de acreditar então nessa de “ela escolheu, é dona de sua sexualidade” porque essas personagens não existem, o que existe é uma indústria machista que sexualiza personagens porque sabe que existem fãs machistas que vão fazer memes e comentários desrespeitosos depois. Já tá na hora de melhorar, né?

EDIT: Minutos antes de soltar o texto, cruzei com um texto raivoso de um cara achando um absurdo as reclamações sobre a roupa da Laura, porque é “só um jogo” e “as pessoas querem discutir com profissionais que estão aí há anos”. Sim, há anos usando uma lógica machista pra diminuir minorias e vender a todo custo, mesmo que precise usar artifícios preconceituosos. Migo, se tudo isso é “só um jogo” e portanto não importaria, por que você tá tão preocupado? Tá ridículo vocês chorando com medo de perderem a punheta.

Originalmente postado em Ideias em Roxo

%d blogueiros gostam disto: