Sabe quando você precisa contar pra um amigo que ele fez merda, mas você não sabe como fazer isso sem ferir os sentimentos dele, ou deixar ele com raiva de você e você começa a conversa com “Então, Fulano, sabe o que é…”?

Então, Netflix, sabe o que é… Você tem feito tanta coisa legal, e trouxe de volta tanta série que é puro amor, e tá trazendo Gilmore Girls de volta pro nossos corações, e eu ainda tenho esperança de que Firefly também vai ganhar mais uma temporada por suas mãos; e vou te amar para sempre por Jessica Jones que ainda nem lançou mas já é a minha série favorita da vida. Mas aí, cara. O que aconteceu?

Intervention-With-The-How-I-Met-Your-Mother-Gang

“Netflix rhymes with wet chicks” (Netflix rima com garotas molhadas, em tradução literal), foi assim que Sandler justificou o contrato de quatro fimes com o sistema de streaming. E foi assim que começou uma era de declarações (e possivelmente produções) ofensivas.

Em Ridiculous 6 (sem título confirmado em português por enquanto), Adam Sandler é um homem que cresceu numa tribo nativo-americana. Taylor Lautner, Rob Schneider e Luke Wilson são os seus meio-irmãos. Eu nem sei direito como comentar esse elenco tão absurdo, mas tudo fica ainda muito pior.

12112068_1014488965274563_1804305659435517301_n

A controvérsia em torno da produção veio à tona quando atores Apaches que participaram da filmagem foram embora do set de filmagens por conta do conteúdo altamente ofensivo do roteiro. Há, inclusive, filmagens do produtor do filme dizendo que se os atores “são hipersensíveis ao assunto eles deveriam então sair do set”.  Bruce Klinekole, ator e consultor cultural do filme, disse em entrevista que falou sobre os problemas de representação e, no dia seguinte, foi informado que seus serviços como consultor não eram mais necessários. Klinekole, após sucessivos problemas, abandonou a produção. Além de atentar para a representação falha e estereotipada das vestimentas dos personagens Apache, Klinkole também notou falta de segurança durante as filmagens (com flechas de verdade sendo usadas no lugar de props) e os nomes extremamente ofensivos que as personagens femininas ganharam.

Antes que alguém venha dizer que se o filme aconteceu é porque outros nativo-americanos participaram, e se eles participaram a culpa também é deles, lembre-se que muitas minas continuam não enxergando a opressão que o patriarcado tem sobre nós, inclusive soltando vídeos falando sobre como ela é anti-feminista. Fora que as comunidades nativo-americanas estão entre as mais pobres nos Estados Unidos (não que aqui seja diferente), encontrar trabalho fora das tribos é algo extremamente difícil – papéis para atores de origem nativo-americana são ainda mais raros.

No meio da polêmica uma página do roteiro (que eu espero que eles tenham tido o bom senso de cortar do filme) acabou chegando ao público – e é uma das coisas mais ofensivas, burras e racistas que eu já li na vida. Em Ridiculous 6, as personagens femininas têm nomes que vão de acordo com aquilo que elas representam para Sandler: sexo. Smoking Fox (algo como Gatinha quente, em tradução livre), Never-Wears-Bra (Nunca-Usa-Sutiã, em tradução literal) e Beaver Breath (que eu honestamente não quero traduzir). Porque eu sou um tanto sadomasoquista no quesito problematização, eu traduzir meia página do roteiro para usar de exemplo:

Ext. Enseada fora da vila Apache – Mais tarde

A enseada está lotada. Braves caça peixes com uma lança enquanto crianças brincam na água.

SMOKING FOX está na beirada da enseada, lavando roupa com sua melhor amiga: BEAVER BREATH, aproximadamente 30 anos e gordinha, e uma mulher mais jovem NEVER WEARS BRA (as duas, Apaches).

Beaver Breath

Tenho uma grande idéia para o seu casamento:

Vamos decorar as árvores com papel higiênico

SMOKING FOX

O que é esse “papel higiênico”?

BEAVER BREATH

Papel usado para limpar sua “chi-wat” depois de

Fazer um “chungo”.

NEVER-WEARS-BRA

É pra isso que esquilo morto serve.

BEAVER BREATH

Porque todos têm tanto medo de tentar coisas novas

Nessa vila? Eu preciso falar com os espíritos para saber se

É ok ter “chu-wat” limpa sem matar roedores inocentes?

NEVER-WEARS-BRA

Woa. Alguém “está com o guaxinim” hoje…

 

full-page-ridiculous-six-script-adam-sandlerEu só traduzi essa merda de roteiro e já me sinto mais burra. Alguns termos não foram traduzidos porque honestamente eu não tive estômago para tentar achar o correspondente em português.

Em uma página nós temos TUDO que há de errado com representação feminina e nativo-americana. Os nomes das personagens são tão ofensivos que me faz pensar como alguém consegue, em 2015, ler um roteiro desses e não marcar com um canetão vermelho cada vez que eles aparecem. Não é só porque eles são o cúmulo da sexualização feminina, mas porque eles são simplesmente ofensivos para qualquer outro nome de nativo-americanos.

A representação da mulher como objeto sexual sempre foi um problema nos filmes de Sandler, mas quando a mulher representada é nativo-americana fica ainda pior. Mulheres Apache, e de outras tribos, sofrem com a sexualização de seus corpos por serem consideradas místicas, “fáceis” e pelo fato de que são ainda mais desumanizadas do que mulheres de outras etnias. Não contente com tudo isso, o roteiro ainda faz questão de frisar que essas personagens não sabem falar o inglês correto, propositalmente deixando os artigos de lado. Na minha tradução eu não consegui deixar o mesmo efeito, mas é algo do tipo “índio fazer barulho”.

Quando a polêmica se instaurou nos EUA o Netflix soltou um comentário extremamente infeliz, defendendo o filme e dizendo que os participantes de diversas etnias estavam “in on the joke” (entendendo a piada). Sandler disse que foi um grande mal-entendido e que assim que o filme sair tudo será explicado. Olhando o histórico de representação feminina e nativa americana nos filmes de Sandler, ou nos filmes periféricos a ele, eu duvido profundamente que Ridiculous Six não seja o primeiro de uma série de quatro filmes que eu definitivamente não assistirei no Netflix.

9

 

 

  • Fabio Farro de Castro

    Não acredito que o Netflix tirou Doctor Who do seu catálogo para colocar isto no lugar!

  • Fabio

    Queria o que? É Adam Sandler. E dele só pode esperar trolhas como essa.

    • Rebeca Puig

      Queria mais respeito.

  • Vivi

    faz anos que não consigo mais ver filmes dele, acho que ele esta indo para o mesmo caminho que ed murphy,will ferrell…

    e não tenho nenhuma vontade de ver esse, e nem os proximos, uma pena a netflix deixar um roteiro desses passar.

    • vivi

      pena nao, é uma vergonha mesmo

  • Antes de comentar o assunto principal do post, só quero fazer um pequeno comentário: “vou te amar para sempre por Jessica Jones que ainda nem lançou mas já é a minha série favorita da vida” – sim eu também mal posso esperar pelo dia 20/11!!!
    Ok, voltando: quando essa notícia saiu eu fiquei indignada. Adam Sandler é alguém que eu já não conseguia gostar antes, agora então… e nem acreditei quando a Netflix se manifestou dessa maneira. sinceramente, Netflix, por que????
    E sim, o Sandler é um nojento. E esse filme não me atrai de jeito nenhum, ainda mais por ter seis protagonistas homens e nenhuma mulher. blergh!
    Vou tentar focar em Jessica Jones e esquecer que esse babaca existe.

%d blogueiros gostam disto: