“Vocês estão julgando alguém que não conhecem”

“Isso é muito sério, pode acabar com a vida do cara”

“Vocês tem provas do que estão dizendo?”

É isso o que a gente sempre ouve diante de alguma acusação de abuso. Foi isso que a gente ouviu a semana toda desde que Laércio, participante do BBB 16, que está no ar agora, foi chamado de pedófilo por Ana Paula, outra participante. Acontece que Ana Paula não tirou isso do nada. Vejam, por mais que tenham ensinado pra gente que mulheres são todas loucas que pensam com o útero na época da TPM, na real a gente não é tão maluca assim. Laércio contou aos outros participantes que vive um relacionamento poligâmico com uma menina de 17 e uma de 16 anos. Ele mesmo falou, tá? Eu não vou nem me dedicar a problematizar a parte do relacionamento poligâmico nesse caso, porque a gente não quer morrer de gastrite hoje. Eu vou focar só na parte da idade mesmo.

A página do Facebook desse homem é um show de horrores. Tem fotos de adolescentes seminuas, comentários grosseiros e machistas, entre outras coisas. Mas eu não precisava ter visto isso. Gente, ele mesmo falou que gosta de mulheres novinhas. Ele mesmo disse que gosta de dar bebida pras meninas para que elas fiquem “mais soltinhas”. E não é de hoje que a gente conhece a cara dele. Diversas páginas feministas já haviam alertado sobre ele muito antes de ele entrar no BBB.

12644703_1560042117649273_4648805828161785145_n

Fonte: facebook

E no entanto ele está lá, tomando sol na piscina, meditando, deixando o banheiro sujo para mulheres limparem, olhando pra bunda das mulheres da casa, dizendo que precisou bater uma punheta quando viu uma participante dançando. Nada que ele não faria se estivesse longe da televisão. Laércio não vê nada de errado em sentir tesão por adolescentes. Tanto não vê que disse isso diante de um monte de câmeras.

Daí Ana Paula briga com ele, diz que não é obrigada a ficar perto de um pedófilo e o que acontece? Os homens da casa dizem pra ela que essa acusação é muito séria, que ela não pode falar isso de alguém, que isso é criminoso. Claro, quando ele diz que “come adolescente” é só o gosto pessoal dele; quando ela diz que isso é errado, ela está desrespeitando ele.

Fonte: gshow

Mas a verdade é que Laércio e outros homens pedófilos ou abusadores não estão sendo julgados ou tendo sua vida estragada. Ninguém te conta, mas eles não estão. Quando o programa acabar, Laércio vai continuar assediando meninas menores de idade, vai continuar embebedando meninas para facilitar o sexo, vai continuar fazendo tudo do jeitinho que vem fazendo. Ele não vai ser ~julgado~ por um único motivo: nem ele e nem grande parte da sociedade acha que ele fez algo de errado.

Uma digressão rápida: quando alguns anos atrás deu todo aquele rolo com o Woody Allen, quando a enteada dele denunciou ter sofrido abusos por parte dele, eu tive diversas discussões com amigos. Me disseram que não havia provas e que a gente não podia linchar o diretor virtualmente por uma coisa que não sabíamos se tinha acontecido. Briguei, briguei, briguei e no fim nada mudou. Meus amigos que curtiam ele continuaram curtindo, meus amigos que não curtiam ele continuaram não curtindo e todos nós concordamos em discordar. E eu pergunto pra vocês agora: o que mudou na carreira de Woody Allen depois de uma denúncia de abuso? Absolutamente nada. Algumas pessoas não vão mais ao cinema ver seus filmes? Alguns atores se recusaram a trabalhar com ele depois disso? Ele ganhou prêmios no mesmo ano que a denúncia foi feita, gente. Eu, pessoalmente, tenho muita dificuldade de separar obra de artista. Para mim, quando a gente admite que um abusador continue vivendo sua vida como se nada tivesse acontecido, a gente tá sendo conivente e, pior, muito egoísta. Pra mim a gente tá dizendo, em outras palavras, “EU não ligo se ele é um criminoso, porque EU gosto das obras dele e EU não quero parar de fruir disso”. Mesmo que doa pras vítimas ver o nome do seu abusador em letras brilhantes e listas de Oscar. E a lista é longa.

“Parem de culpar a vítima” (Fonte: tumblr)

Eu espero que até aqui vocês já tenham percebido o denominador comum entre os casos: todos são crimes contra mulheres. Será que se Laércio tivesse dito no ar que gostava de embebedar pessoas para roubar a carteira delas, ele ainda estaria lá? Será que se Woody Allen tivesse sido acusado de assassinato, ele continuaria ganhando prêmios? Quão tolerantes nós somos quando o assunto é violência contra a mulher? A gente trata a violência contra a mulher como um crime menor. E o assunto parece que fica ainda pior quando envolve mulheres menores de idade.

Um tempo atrás li um texto no Literary Hub (que estou arranjando tempo pra traduzir pro português pra ficar mais acessível pra todo mundo) que falava sobre o livro “Lolita”, mais especificamente sobre homens explicando Lolita para a autora do post, uma mulher que, como muitas de nós, leu o livro e ENTENDEU (apesar dos meninos dizendo que entenderam melhor que a gente). Todos conhecemos a história: homem de meia idade que conhece menina adolescente, cria uma fixação nela e a abusa sexualmente por anos a fio, até que ela consiga fugir dele, tenha uma vida destruída e ele não a queira mais porque ela perdeu o ar de inocência que tanto o atraía. Certo? ERRADO! O que a autora do texto expõe é que nós “””””não entendemos””””” o livro direito. Que vários amigos homens dela disseram que a beleza de um livro bem escrito é conseguir fazer com que nos coloquemos no lugar da personagem, consigamos olhar o mundo pelos olhos dele. Ou seja, a grande sacada de Lolita seria “conseguir sentir empatia pelo pedófilo”. Pois é.

 

“Lolita” (1962) – Dir. Kubrick (Fonte: tumblr)

Eu não li Lolita jovem, diferente de muitas amigas minhas. Eu fui ler Lolita com 21 anos. Graças a Deus. Porque se eu tivesse lido muito cedo talvez eu não tivesse percebido uma série de coisas que percebi depois. Eu já fui adolescente como todo mundo. Eu tenho, hoje, alunos e alunas de 14/15 anos. Adolescência é um dos momentos mais complicados da vida. A gente não é mais criança e já tem autonomia e liberdade pra muita coisa; mas a gente ainda não tem vivência. A gente ainda não tem aquele alarme que toca na cabeça quando alguma coisa tá MUITO errada. Porque o som desse alarme vai aumentando com o tempo. Então mesmo que ele já soe quando a gente é adolescente, nem sempre a gente escuta. Então quando a gente é adolescente e um cara fala pra gente que “a gente é muito madura pra nossa idade” a gente não percebe o que está nas entrelinhas: é papinho.

Existe esse mito na sociedade que “mulheres amadurecem mais rápido que homens” então se uma menina de 15 anos quiser namorar um cara de 40, ela sabe o que está fazendo, mas se um menino de 15 anos sair com os amigos, ficar bêbado e fizer merda, perdoa o menino que ele é crianção, não tá maduro, não sabe o que tá fazendo. Essa concepção é a desculpa que se usa para dar aquela passada de pano básica no pedófilo. SIM, NO PEDÓFILO. Porque é feio dizer que é pedófilo, coisa de criminoso, é nojento, né? É. Até que aquele cara que você gosta, inteligente, legal, divertido, de esquerda, politizado, aparece namorando uma menina de 14 anos. Aí tudo bem, porque “ela é super madura, sabe o que tá fazendo”.  E as relações entre homens mais velhos e mulheres mais jovens são normalizadas. Eu canso de ler sobre casais com 30, 40 anos de diferença; a Maggie Gyllenhall, aos 37 anos, foi considerada velha demais pra ser par romântico de um homem de 55 anos, lembra?

Fonte: Facebook

Fonte: Facebook

Acontece que, sabe aquela tal de vivência que eu mencionei lá em cima, gente? Então, ela conta e MUITO quando estamos falando de homens adultos e meninas adolescentes. Porque uma coisa é você, mulher de 30 anos namorar um cara de 50. Outra beeeem diferente é o bonitão de 35 anos achar de boa namorar uma menina de 15. Spoiler: não é de boa não. É abusivo, é pedófilo. E aquele termo que as pessoas tanto adoram usar, “novinha”, nada mais é do que uma sexualização de meninas (crianças e adolescentes).

Mesmo que a idade de consentimento seja aos 14 anos, essa diferença de idade nesse momento da vida faz muita diferença. E não é porque a menina já menstruou, já deu uns beijos na boca, já tem peito e bunda que ela se torna menos adolescente ou menos suscetível a acabar num relacionamento abusivo. Idade também é Poder nesses casos.

“Qual parte de ficar em hoteis cinco estrelas, comer nos melhores lugares, fazer tudo o que você queria, é estupro?”

“A parte em que eu não queria fazer nada disso.”

E aí voltamos pro Big Brother. Porque, gente, temos um homem cinquentão, dizendo em rede nacional – numa tv aberta pra piorar – que namora com duas meninas, uma de 17 e uma de 16, que gosta de meninas novinhas, que dá bebida pra adolescentes pra deixar elas mais soltinhas. Isso está acontecendo agora, ao vivo. E a única mulher que tomou a difícil decisão – porque é muito difícil enfrentar abusador – de jogar na cara dele o que ele era, um pedófilo nojento, está sendo chamada de louca, histérica, sem respeito.

Fonte: o tv foco

Fiquei lembrando da campanha #meuamigosecreto. Mulheres compartilhando momentos difíceis de assédio e homens falando que não adianta mandar indireta no Facebook; que tem é que denunciar pra polícia. Esses mesmos homens são aqueles que se dizem muito feministas mas que não tem coragem de mandar o amiguinho machista calar a boca. São os mesmos que, diante de uma denúncia de pedofilia, se preocupam mais com os sentimentos do pedófilo do que com o estrago que eles possam ter feito na vida de suas vítimas.

Tá pouco pra vocês? Então pega essa: o principal defensor de Laércio na casa, Daniel, é dono de uma empresa de peruas escolares. Pois é, o cara trabalha com crianças e adolescentes e acha de boa um homem de 53 anos namorar duas menores de idade. A gente vive num país onde mais da metade das vítimas de estupro tem menos de 13 anos; num país onde quase 90% das vítimas de estupro são mulheres. Mais de meio milhão de meninas entre 13 e 17 anos no Brasil já são casadas, com homens muito mais velhos, em relacionamentos abusivos. E mesmo assim, estamos assistindo a essa irresponsabilidade na televisão e repetindo clichés vazios de que “amor não tem idade”, quando não estamos mais uma vez, colocando a culpa na vítima por ter sido assediada.

Ó o apresentador do The Voice Kids como é brando com pedofilia! (Fonte: twitter)

Ó o apresentador do The Voice Kids como é brando com pedofilia! (Fonte: twitter)

O que isso tudo nos mostra? Que independente de estarmos falando de televisão e reality shows, com toda a carga de ficção e manipulação que isso traz, o que está acontecendo lá nada mais é do que o que vivemos todos os dias. Nos ensinaram que “in dubio pro reu”, ou seja, que todo mundo é inocente até que se prove o contrário. Mas quem tem que provar nunca é o estuprador, mas sim a vítima. A mulher é quem tem que provar que “tem certeza que foi estuprada”, que não estava pedindo por isso. E que as acusações não sejam gritadas, porque se forem podem machucar os sentimentos do “suposto abusador”. A televisão se esforça tanto para manipular a realidade que dessa vez acabou acertando em cheio e mostrando a situação mais verdadeira que poderia: todo mundo finge que acha pedofilia um horror, mas acaba se preocupando mais com o pedófilo do que com a vítima.

Fonte: gshow

Mas por que a emissora permite que isso tudo aconteça? Porque a emissora, na verdade, não dá a mínima desde que gere lucro. Porque e daí que temos um pedófilo falando tudo o que quer impunemente? Tá dando audiência? Vai dar pra aumentar o valor do comercial do programa? Vai ter mais gente votando a favor ou contra? Então deixa ele lá. Agora, podem me dizer que eu não respeito a liberdade de expressão – não é nada que eu já não tenha ouvido antes – mas pra mim, tem coisas que você não tem o direito de dizer. Você não tem o direito de falar que “gosta de novinhas” e ninguém pode te questionar porque “gosto não se discute”. Você não tem o direito de ser racista, machista, homofóbico e dizer que é só sua opinião. E principalmente, você não tem o direito de ter uma concessão pública de televisão e se manter em cima do muro diante de uma questão tão séria quanto a pedofilia. Porque fazer Globo Repórter citando histórias meninas que sofrem abuso sexual é fácil. Eu quero ver é tomar atitude quando a pedofilia deixa de ser distante dado de pesquisa e passa a ser fato diante dos nossos olhos.

  • tanira

    Apenas palmas para esse texto.

  • Bruno Trindade

    Parabéns, acho que esse é oficialmente o melhor texto que já li aqui no Collant. Passou da hora dessas coisas terem consequências

  • Roberta Quirino

    Lacrador e sensacional! Texto maravilhoso.

  • Texto super esclarecedor! Ontem fui procurar o que é pedofilia, e é considerado pedofilia o ato sexual com crianças abaixo de 14 anos, ou seja, na teoria ele não está cometendo nenhum crime. ele continua sendo um nojento, tarado e eu quero mais é que ele saia, mas tem essa parte legal ai.

    • Maria Celina Gil

      Pois é, Michelli 🙁
      Por lei, não é crime mesmo que uma pessoa de qualquer idade se relacione com adolescentes a partir de 14 anos. Mas eu, pessoalmente, acho que são abusos iguais.
      As leis também refletem o sistema patriarcal que a gente vive, foram escritas por homens e favorecem homens no fim.
      Então “tecnicamente” não é pedofilia, mas na prática, né…

      • Lucas Bonini

        Na prática, tanto para um homem quanto para uma mulher, se relacionar com uma criança menor de 14 anos é crime. Consentido ou não.

        Estupro e abuso são crimes horríveis, assim como pedofilia. Ninguém, além de estupradores e abusadores, defendem isso.

        Eu achei teu texto sensacional, mas eu li ele substituindo, sempre que eu via “a mulher”, por “a pessoa”. Qualquer um pode ser estuprado. Homens estupram homens, mulheres abusam de bebes e assim vai.. Um absurdo atrás do outro.

        Bom mesmo seria o mundo sem estupradores e sem abusadores. Sem machismo e sem feminismo. Sem héteros e sem homos. Só todo mundo vivendo e se respeitando. Acho esse o motivo mais justo para se lutar, na minha opinião, é claro.

        • Isso, vamos apagar o fato de que a esmagadora maioria das vítima de estupro são meninas abaixo de 13 anos, isso, vamos ignorar tudo pelo sofrimento das “PESSOAS”. Vamos ignorar que tem um estuprador em confinamento numa casa e tá todo mundo defendendo o pobrezinho e chamando a mulher loka, histérica. Vamos ignorar tudo pra caber na lógica masculina que tá incomodada já que a grande maioria de estupradores é de homens. Tá certinho.

          Aliás, minas do Collant, coloquem um aviso no começo do post “Esse texto pode machucar os sentimentos dozome”

          • Lucas Bonini

            Você quer defender uma minoria e excluir o guri de 6 anos que foi estuprado pelo pai ou pela mãe só pq a esmagadora maioria das vítimas é mulher?

            Você não machucou meus sentimentos. E a propósito, não é para ignorar nada. Eu não me referi a Big Brother e a nenhum velho tarado e nenhuma mulher histérica, no meu comentário.

            Não entendi realmente seu raciocínio. Você quer inverter a situação ao invés de acabar com ela? Você quer que a maioria dos homens é quem sejam estuprados, para assim você se sentir melhor? Se sim, eu tenho tanto asco de você como tenho de qualquer estuprador ou abusador.

            Se você realmente ler meu comentário sem interpretar que eu seja um “possível estuprador e/ou homem machista e ignorante”, você vai ver que é super plausível.

          • Fofo, aqui ó. Prestenção. O assunto do post é sobre um estuprador dentro do Big Brother. Estuprador. dentro. do BBB.

            Aí o que você faz pra desviar o foco do assunto: enfia todos os casos de estupro do mundo pra deslegitimar o que está sendo discutido. Essa é uma tática muito comum de quem tá pouco se fodendo pra cultura do estupro e as causas dele. Você só veio encher o saco mesmo.

            Então, quem inverteu a situação aqui foi VOCÊ. Você, o paladino da justiça por todos os homens estuprados do mundo.

            E eu não interpretei seu comentário dessa forma, só achei você um desocupado mesmo. De novo, quem tá interpretando as coisas errado aqui é você. Quem tem asco aqui, bonitão, sou eu, de ver um cara deslegitimar o assunto e ainda pagar de vítima nos comentários. Que inverteu o que eu disse e que não entendeu porra nenhuma do que tá escrito.

            Parabéns pela psicodelia argumentativa.

          • Elias Pacheco

            Olha, conheço poucos homens que não tiverem atos sexuais na infância/pré-adolescência. Aliás, é prática comum pra muitos pais, tios, avós, levar meninos pra puteiros em muitos lugares do país, pra “virar homem”. O que acontece é que a tradição faz com que o menino, que foi sim estuprado, diga pra sociedade que “gostou” da coisa, que é “macho mesmo” etc. A maioria não vai dizer “fui estuprado”, mas crescer com uma série de problemas psicológicos por conta da precocidade sexual, e achando tudo normal.

          • Maria Celina Gil

            Bom, a gente não tem mesmo como saber o panorama geral. Os dados que temos se baseiam nas denúncias.
            Mas o “não denunciar” não ocorre só com meninos. Muitas vezes crianças não entendem a situação, principalmente quando parte de algum familiar (basta ver que em vários relatos as pessoas dizem que demoraram a denunciar porque achavam que isso acontecia com todo mundo).

          • Elias Pacheco

            Os dados se baseiam nas denúncias, e é claro que a maior parte das crianças não entende o abuso quando ele está acontecendo. Mas, o homem CRESCE sem total consciência de que foi abusado, raramente admitindo isso. Faltam pesquisas nesse sentido, porque a sociedade não encara o abuso do menino como abuso. É como se não acontecesse, mas repito: dos caras que conheço, amigos próximos com quem já falei a respeito, todos, sem exceção, se desenvolveram precocemente e sofreram abusos sexuais. Os meninos são bem menos protegidos nesse sentido, embora a coisa se inverta na idade adulta.

        • Maria Celina Gil

          Infelizmente, Lucas, vivemos em um mundo que a maioria dos estupradores sao homens e a maioria das vítimas são mulheres.
          Quando me propus a analisar esse fato, duas coisas foram decisivas:
          – essas estatísticas que mostram que a pedofilia e o abuso sexual atingem mais mulheres;
          – a minha vivência enquanto mulher.
          Se a gente tenta colocar todos os casos possíveis, acaba apagando as experiência de uma maioria de vítimas. E como vivi minha vida inteira como mulher, é sobre nossas vivências de gênero que tenho mais propriedade.
          Idealmente, seria ótimo que tivessemos uma “voz neitra”, capaz de dar conta de tratar das experiencias de pessoas diferentes. Mas não vivemos nessa realidade. A voz das mulheres, dos gays, dos negro e de outras minorias ainda são menos ouvidas e menoa frequentes. Por isso, acho importante que hajam textos que foquem especialmente nessa experiencias: pra que elas apareçam mais e conquistem cada vez mais espaço 🙂

          • Lucas Bonini

            Maria, legal. Acho que você compreendeu o que eu quis dizer. O fato de eu trocar “mulher” por “pessoa” é que me faz ver que qualquer um esta sujeito a essa agressão.

            É claro que eu consigo formar empatia por mulheres. Eu, em momento nenhum, disse que não. Eu não quero calar a voz de ninguém nem desviar foco de nenhum assunto.

            Outra coisa, eu fiz uma menção ao seu COMENTÁRIO, não ao seu texto. Não faz o menor sentido falar que eu estou querendo deslegitimar tudo, e não faz o menor sentido querer acreditar que eu estou fazendo isso, se digo que não.

            Eu não sou vítima. Nunca fui nem sequer assediado, nunca passei e nem presenciei uma situação dessas. Isso me faz menos capaz de estar engajado nessa causa? Só pq eu não defendo APENAS as mulheres, mas sim todas as vítimas eu não tenho empatia pelas vitimas do sexo feminino?

            De novo, seu texto é sensacional. Sua luta, para você que viveu e vive essa cultura pobre, de homens arrogantes e machistas, é mais do que válida. A luta de qlqr pessoa nesse sentido é válida.

            Sybylla, você pode pensar o que quiser sobre mim, esse é um direito seu. Eu vou continuar pensando que ninguém deve ser estuprado, e se algum dia estiver ao meu alcance ajudar uma mulher numa situação dessas, eu ajudarei, mas farei a mesma coisa por qualquer um que estiver na mesma situação. Esse é meu ponto de vista. O MEU PONTO DE VISTA. Ele não é nem melhor nem pior do que os eu, pq isso não existe.

            E não, eu não sou vítima.

          • Geraldo Azevedo

            Muito do “escãndalo” em torno dessa estória se deve a manorbas de retórica. O feminismo tem uma maneira de “politizar” e “juridicializar” os acontecimentos que fazem sempre com que coisas comuns que um homem faça pareçam crime ou atentados políticos (formas de opressão patriarcal). Mas tentem olhar a situação por um momento invertendo a retórica: a guria “abusou (assault) o cara na cama, Se fosse um homem fazendo aquilo com uma mulher, o feminismo teria cem armas de retórica para categorizar o feito como um tipo de abuso patriarcal opressor em uma sociedade machista que mata mulheres todas as horas. Olha o escândalo que isso traria. Como o cara é homem, ninguém liga que ele foi assaltado na cama. Ademais, se fosse uma mulher velha chamada de gorda e nojenta, mil militantes feministas iriam fazer textos com suas manobras de retórica, arrumando diagnósticos sociais e políticos para mostrar como ela é oprimida. Como é um homem velho e gordo, não tem nenhum recurso para se defnder. Finalmente, a suposta pedofilia: esse é otema mais delicado. Mas também acredito fielmente que se fosse uma mulher de cinquenta anos que gosta de homens de 20, isso ainda seria visto pelas feministas como empoderamento das mulheres, e se alguém a chamasse de pedófila, iriam dizer que é um estigma da sociedade patriarcal que não admite mulheres velhas tendo prazer. Em suma, o feminismo é dono de uma retórica que lhe spermite acomodar contradições, não responder perguntas relevantes, usar padrões duplos para julgamento de homens e mulheres, e hiperbolizar – exagerar e superestimar – os defeitos e falhas amsculinos, como se qualquer erro de um homem fossem sempre parte de uma grande conspiração política contra mulheres. Essa retórica está tão engranhada na mentalidade acadêmcia de hoje, que é impossível qualquer discussão justa sobre o tema.

          • Bru

            Nós também achamos que ninguém deve ser estuprado, mas a sua necessidade de substituir (e comentar sobre) a palavra mulher por pessoa é muito mais significativa do que você acha ser. Qual o problema em representação feminina? Pq quando você exemplificou você falou de um caso raríssimo de uma mulher estuprando uma criança do sexo masculino quando é muito mais comum um homem fazer isso? Você sofre de iuzomismo e nem percebeu, sério! Quando textos falam de homens você muda para pessoas também? ModeradorEs? Não sabia que tinha homens no collant!

            Sobre todos os outros comentários: estupro é uma coisa, pedofilia é outra e estupro de vulnerável é outra. Pedofilia NÃO É CRIME segundo nosso código penal, então acusar alguém de ser pedófilo não é tão grave e não precisa nem pode ser denunciado se não for um caso consumado de estupro de vulnerável, corrupção de menores, pornografia e outros crimes previstos no código penal.
            Existe também o crime de sedução (que compreende relações sexuais com meninas entre 14 e 18 anos, desde que elas sejam virgens), e por esse código penal deplorável e ultrapassado que temos é que os pedófilos se escondem atrás das máscaras de “se for maior de 14 não é estupro, então tá tudo bem”.
            E só pra aumentar a polêmica, homens velhos que só procuram e namoram mulheres com uma grande diferença de idade (pra menos) também me dão MUITO nojo. Conheci um senhor de 65 anos que só pegava mulher de 30 pq “pelanca e ruga ele já tinha as dele.”
            E meninas, desculpem o flood de hoje, finalmente tive tempo para me atualizar aqui no site.

          • Elias Pacheco

            Eu entendo que, quando falamos de estupro, a maioria das vítimas são mulheres. Mas quando falamos em pedofilia/abuso de menor, não estou certo de que a maioria das vítimas sejam meninas. Digo isso porque o que mais tem são caras que cresceram achando normal a precocidade sexual a que foram expostos. Você não vai ver um cara dizendo que foi estuprado quando tinha 12 anos e foi perder a virgindade num puteiro porque o tio o levou. E além disso, se ele teve algum tipo de sexo com uma babá, ou com uma prima mais velha, ele vai encher o peito e dizer “eu gostei”, “sou macho mesmo”.
            E por que eu digo isso? Pra deslegitimar a causa feminina? Não. Existe um componente importante nessa cultura que acha normal a precocidade sexual no menino: se tá tudo bem pra ele ser estuprado, se ele sequer consegue interpretar desse modo quando é a vítima, vai crescer achando que determinadas coisas não são estupro quando ele é o agente. O mesmo menino que é levado pro puteiro é aquele que se torna um babacolóide que acha que mulher é “puta ou pra casar”, que considera normal mexer com mulher na rua (afinal, é o que a sociedade quer dele, que seja um “machão”).
            Quando falamos de estupro, a maior parte das vítimas são mulheres. Mas quando falamos em pedofilia/abuso de vulneráveis aí nós precisamos entender que a coisa é bem mais complexa.
            Crianças abusadas são minoria, sendo elas do sexo masculino ou feminino, brancas ou negras, gordas ou magras.

        • Collant Sem Decote

          Lucas, porque substituir “mulher” por “pessoa”? Você não consegue formar empatia por uma mulher? Não consegue vê-la como um ser humano também? Através da dor dela você não consegue usá-la como base para a sua compreensão da situação? É necessário que você tenha uma figura masculina pra isso?
          O assunto do texto é o caso que está acontecendo dentro do Big Brother, em que um homem tem relatado casos de estupro que a nossa sociedade passa por normal.
          Levantar a questão de que mulheres também estupram nessa discussão só serve como uma tentativa de silenciar uma discussão que está acontecendo agora. Em momento nenhum no texto, ou aqui no blog, você vai ler que violência é algo unicamente masculino, mas se pegarmos as estatísticas você vai ver que a maioria esmagadora de estupradores é masculina. AINDA SIM, não sentimos a necessidade de levantar essa questão, então fica a pergunta do porque você julgou coerente colocar isso em questão.
          A impressão que fica é que você está tentando distorcer a discussão para, além de diminuir o conteúdo do texto, tirar o foco de quem são a maioria das vítimas de estupro no Brasil: garotas menores de idade.
          Um mundo sem estupradores seria lindo, mas se você não acha justo lutar para que homens que acreditam que embebedar menores de idade para que elas sejam estupradas, te digo que esse não é o lugar para ti.

    • Pedofilia não é crime, mas estupro de vulnerável é.

    • Geraldo Azevedo

      Se não é pedofilia, mas ainda assim “nojento”, gostaria de saber se vocês achariam o mesmo de uma senhora de 50 anos que gosta de meninos de 20. Seria misoginia dizer que ela é uma velha nojenta? No caso dela, ela estaria apenas promovendo seu empoderamento sexual? Estou realmente curioso para testar a coerência das respostas.

  • Lari

    Texto incrível, revelou tudo que eu senti quando assisti os “brothers” dando ombro amigo pra esse cara! Quando me coloco no lugar da Ana Paula, apesar de não simpatizar com ela, imagino que deve ser desagradável conviver com um ser desses na cama ao lado.
    Um cara do BBB até disse que percebeu a ~maneira~ que o Laercio olha para as meninas, mas que “existe uma diferença entre tarado e pedófilo”. Não vejo muito diferença não hein.

  • Kelves Medea Dos Santos

    Não assisto BBB, mas vejo noticias todos os dias pelo facebook, li o texto e concordo em partes com vc, acho realmente que a idade dele para as “namoradas” muito grande, ja que as meninas tem 17 e 16 anos, mas quando vc fala que as pessoas se importam mais com os sentimentos do pedofilo ao inves dos sentimentos da vitima, que eles devem ser tratados como tal, e essa mulher do bbb que saiu gritando aos quatro cantos que ele é pedofilo, velho e nojento sem ter provas concretas de que o que eles fez realmente foi sem consentimento das meninas, e sem o conhecimento dos pais delas, pq eu acredito que elas tenham pais, e que seus pais saibam do que esta acontecendo com suas filhas, poderá acontecer com ele o que aconteceu com Heberson que mora no Amazonas, pra quem não sabe quem é esse Heberson aconselho que leia essa materia que explica o ocorrido…
    http://noticias.r7.com/cidades/homem-preso-injustamente-luta-por-indenizacao-apos-contrair-hiv-em-estupro-no-presidio-10012014

    • Collant Sem Decote

      Oi Kelves.
      Então, o Laercio falou na casa que tinha um relacionamento com uma garota de 16 e outra de 17, e foi com essa informação que o texto foi elaborado. Com consentimento ou não, um cara de 53 anos se relacionar com uma garota de 16-17 pode não ser pedofilia aos olhos da justiça, mas é necessário uma problematização desse posicionamento sim.
      Ana teve coragem de enfrentar sozinha um cara que se condena pelas próprias palavras, mas que nós como sociedade estamos acostumados à perdoar e olhar para o outro lado.

      O que aconteceu com Hemerson foi realmente um absurdo, assim como o que aconteceu com a mulher no litoral de São Paulo. Infelizmente esse tipo de comportamento em grupo de justiça com as próprias mãos vêm desse discurso fascista de que bandido bom é bandido morto, coisa que em momento nenhum é dito no texto da Celina.

      • Pedigra

        A questão de dar bebida à menor de idade com intenção de relação sexual é caracterizada como estupro de vulnerável, não?

        Tecnicamente ele não seria um pedófilo, mas sim um estuprador.

        • Collant Sem Decote

          Tecnicamente ele pode não ser um pedófilo, mas é engraçado quando mesmo com ele falando tudo que disse a discussão acaba sendo mudando para ela ter errado o termo. O foco não pode ser ela ter usado o termo de maneira inadequada perante a lei, tem que ser o fato dele ter admitido em público que embebeda menores de idade para depois estuprá-las.

      • Kelves Medea Dos Santos

        Eu entendo o que vc colocou no texto, o que eu digo e volto a dizer é que antes de apontar o dedo e incriminar a pessoa, tenha provas, como o Pedigra escreveu aqui em baixo, se o que ele disse é verdade ele não é pedófilo e sim estuprador, o que é tão grave quanto, eu não defendo esse tipo de pessoa, na minha opinião estuprador deveria ser castrado quimicamente e não apenas preso, mas veja o que aconteceu com o Heberson ao ser preso injustamente, seu texto ficou muito bom e explicativo, mas a pessoa é inocente ate que se prove ao contrario.

        • Maria Celina Gil

          Entao, como eu disse no texto, nossa justiça funciona sempre em: prove a acusação. Quando se acusa alguém de abuso, o réu (por mais estranho que soe) é o abusador. É ele quem está sofrendo a acusação.
          Dificilmente em casos de abuso se prova materialmente alguma coisa. Mas é certo que. Maioria desses casos sai impune e que pouca vezes as acusações são mentirosas. Porque quem passaria pelo constrngimento de uma denúncia dessa se fosse mentira?
          Não somos nunca a favor de justiça pelas próprias mãos. Não acho que acusados de pedofilia ou estipro devam ser espancados ou nada parecido.
          Mas diante de uma justiça burocrática e cheia de empecilhos nesses casos, a denúncia serve mais como um alerta para que outras pessoas não venham a ser vítimas.

        • Bru

          explica como se provam coisas assim.. Nem mulheres recém estupradas indo à delegacia se expor e fazer exame de corpo de delito conseguem sempre provar o estupro pois é sempre questão da palavra de um x a palavra de outro.
          E se o proprio Laercio disse isso (eu vi o vídeo), que prova mais é necessária além da confissão? É exatamente sobre isso que o texto fala: sobre sempre existir um amenizador para o cara em casos como este, sempre aparecem várias pessoas dizendo “calma, vamos verificar, é pouco provável que seja verdade, poucas mulheres são estupradas, assediadas, embebeadas e etc por dia”. Quando algum conhecido seu diz que foi roubado, assaltado ou coisa assim você duvida? Você pede provas? Você obtém essas provas antes de acreditar? Se um amigo homem seu te contar que foi assediado ou estuprado você vai acreditar?

    • Depois de um texto desses, super esclarecedor, com tudo o que a sociedade diz e faz, é claro que tinha que entrar comentário assim. Vamos culpar todo mundo, as meninas, os pais, pq né?, elas têm que ter pais, vamos culpar todo mundo, MENOS o nojento que dá bebida pras meninas ficarem mais “soltinhas”.

      Vamos ignorar toda a cultura do estupro que joga a culpa de TUDO o que acontece com as mulheres nas costas das vítimas e vamos pensar no pobre coitado do Laércio, pq né, coitadinho, ele é sensível. Né, uma acusação dessas vai acabar com a vida dele.

      Arrisco dizer que você não leu o texto. Na boa.

      • Maria Regina Souza

        Infelizmente ela errou ao chamá-lo de pedofilo pq pelo conceito pedofilia eh a atraçao por pré puberes. Não estou falando que eh moral, nem sempre o que eh legal(embora pedofilia nem eh crime galere) eh moral. Ela não foi esperta e provavelmente irá sair 🙁
        Acho mais problemático o fato dele embebedar as mulheres, independente da idade. As pessoas falam que as mulheres não tem provas, mas esse tipo de abuso pode ser difícil de.provar, ainda mais depois de muito tempo.

        • Collant Sem Decote

          Ela pode sim ter errado o termo de acordo com o dicionário ou a lei, mas é engraçado como o foco da discussão tende a mudar para o erro dela, deixando para trás a discussão sobre o estupro que ele fala.

        • Maria Celina Gil

          Como falei lá em cima, sei que o termo “técnico” não é esse. Mas usei principalmente porque diante dessa situação vejo pouca diferença: será que muda muita coisa um homem de mais de cinquenta anos se relacionar com uma menona de 12 ou 14 anos?
          Principalmente, o que atrai um homem dessa idade eme meninas tão jovens? Eu acho que na comparação, moças adolescentes são crianças perto dele, por nao terem a mesma experiência de vida e autonomia que um homem dessa idade.
          Essa questão da idade do conaentimento ainda é muito nebulosa pra mim, pois acho que exclui o fato de que diferenças grandes de idade são muito problemáticas nesse momento da vida.

      • Kelves Medea Dos Santos

        Lady Sybylla eu realmente li o texto todo, em nenhum momento eu defendo o cara, pode ler de novo, e nem digo que a culpa é das meninas, o cara disse que gosta de novinhas e que da bebidas para elas ficarem mais “soltinhas”, esse é o gosto dele, se ele faz isso com intenção de leva-las para cama mais facil, isso não é pedofilia e sim estupro de vulneravel, que é tão grave quanto pedofilia, o que eu digo é que antes de vc sair com paus e pedras vc tem que ter provas contra ele, inocente ate que se prove o contrario, lembre-se que no Brasil as pessoas levam em consideração o que os outros falam e não as provas, e muitas pessoas foram linchadas por engano e morreram mesmo sendo inocentes, então prove antes de mata-lo.

    • Alana Vasconcelos

      Olha…

      De acordo com a sua concepção, ele até pode não ser um criminoso tarado abusador nojento. Mas poligamia é crime! Ele tá num relacionamento com duas meninas. Disse ele que era só namoro. Será mesmo? E mesmo que seja, a gente só namora já pensando num futuro com aquela pessoa. Se não quer futuro, apenas dá uns pegas e some (quantas de nós, meninas, não conhecemos boys magyas assim, que somem depois que comem?)

      Olha, sinceramente? Apenas para… Ele mora no Brasil, não no Oriente Médio. Lá, a lei permite que homens da idade dele se relacione com mocinhas dessa faixa etária e tenha várias delas. Vamos fazer um harém pra ele?

      Ahhhhhh! E mesmo nesses países, onde essas coisas são literalmente legalizadas, já existem milhares e milhares de organizações de direitos humanos, direitos das mulheres, direitos das crianças e adolescentes, que lutam DIARIAMENTE pra que as leis desses países mudem.

      Meu, sério… Apenas pare… E suma da face da terra. A culpa e DELE. Dele e sua, que acha que tá certinho fazer isso. Vc também embebeda as novinhas nas festas, é?

      Apenas nojo! Dos dois!

      • Kelves Medea Dos Santos

        Alana, leia de novo o que escrevi, em nenhum momento eu defendo o cara, nem o que ele diz que da bebida para as meninas ficarem mais soltinhos, o que eu digo é que os fatos devem ser investigados e devem ter provas concretas, se ele falou isso em rede nacional com certeza os pais dessas meninas ou ate mesmo essas meninas caso se sintam vulneraveis a ele devem procurar ajuda e denunciar, sobre o fato de vc querer criar um harem para ele, aqui no brasil é proibido é se CASAR com mais de uma pessoa, agora se o homem ou a mulher quiser ter mais de um “namorado” a lei não entra no meio, vc ter nojo do que ele falou é de responsabilidade sua, agora vc tem provas de que ele realmente é pedofilo? Pq se não tiver e ele quiser te processar pro calunia ele pode, e isso é muito mais facil de se prova.
        E eu sou realmente a favor de que se é inocente ate que se prove o contrario, ou vc quer voltar a idade das trevas onde se apontava o culpado e ja mandava matar?

        • Collant Sem Decote

          Uma coisa interessante, que acho que vale a reflexão, Kelves, é que esse argumento do “Inocente até que se prove o contrário” só vale quando é para homem. Porque em casos como esse, em que um cara fala em público que mantém relacionamento com meninas menores de idade, em que admite que embebeda menores de idade para estupro-las, mesmo ele tendo dito isso em rede nacional ainda assim sempre vai ter alguém para dizer que ele é “inocente até que se prove o contrário”, e que vai culpar essas mesmas meninas pela atitude que esse cara tomou.
          Quando uma mulher acusa um homem de estupro ele sempre é inocente até que se prove o contrário, e ela sempre é mentirosa até que consiga provar o contrário. A inocência nunca é servida aos dois lados, ela cai apenas para cima do homem. Até nisso há uma falsa simetria.

          • Kelves Medea Dos Santos

            Concordo com vc sobre essa simetria, tanto é que ela não acontece apenas nesse caso de pedofilia ou estupro de vulnerável, a policia so chama a “meliante” de culpado depois que a investigação termina, msm que a pessoa diga que ela fez tal coisa, precisa ter investigação para comprovar a culpa dela, ano passado por exemplo, varias pessoas foram linchadas nas ruas acusadas de crimes que não cometeram, e foram mortas por isso, ai a policia investigava e constatava que ela era inocente, então o que eu digo no meu texto é que antes de apontar o dedo culpando uma pessoa, tenha provas de que ela realmente é a culpada, as leis no Brasil são muito brandas, se esses crimes de pedofilia e estupro de vulneráveis tivessem uma punição adequada com toda certeza de que diminuiriam drasticamente.

        • Alana Vasconcelos

          Kelves, vc que tem que ler o que eu escrevi.

          Ele falou em rede nacional que é namorado de duas adolescentes. E, como eu disse, na minha humilde concepção, só se namora alguém pensado em alho mais concreto. Ninguém namora por namorar, do contrário é perda de tempo. Se é pra não pensar em compromisso, é só não namorar ninguém. Lógico que ele não deve casar no papel, mas deve juntar as escovas de dentes com as duas em algum ponto. Isso é poligamia. Mesmo que ele não venha a casar com nenhuma das duas, é poligamia. Tá certinho isso pra vc, moço?

          Outro ponto: pq se precisa provar a inocência dele, se o machão alfa, el comedor, já admitiu a conduta dele pra todo mundo?

          Então, sim, Kelves… Nesse caso específico, eu acho que ele já perdeu o direito ao benefício da dúvida.

          Prepare o pelotão de fuzilamento, pq a defesa dele já é causa perdida!

        • Gabi de Sávio

          Ele confessou em rede nacional que embriaga menores de idade (crime) para induzi-las a fazer sexo com ele (crime). Ele publica fotos de menores de 18 anos em situações sexuais (crime) em suas redes sociais. Quer o que mais de provas concretas????

        • Bru

          Ele não nomeou as meninas. As meninas são NAMORADAS dele, óbvio que não vão querer denunciar, se acham adultas o suficiente para amar o cara e provavelmente pensam que o amor supera tudo. E quem vai acatar denuncia de duas meninas de “quase 18 anos” que estão pq querem num relacionamento poligâmico? Acorda pra vida, amigo!

  • Pati Melo

    Melhor texto, palmas lentas.

  • Cledson Barros

    Eu não sabia da história do Woody Allen, nojento… Mais nojento ainda é uma emissora dar espaço pra um escroto feito ele, colocá-lo como vítima de calúnia quando ELE DISSE O QUE FEZ EM REDE ABERTA!!!!! O texto é ótimo, eu me senti extremamente desolado quando Celina fez o paralelo entre outros crimes e o tratamento quando a vítima é a mulher, é horrível se dar conta de que pra sociedade, o cara que embebeda adolescentes pra fazer sexo é de importância menor que quando se subtrai pertences de outrem…

    • Maria Celina Gil

      Essa história do Woody Allen foi tensa. Claro que se você procurar na internet sobre o assunto, vai achar mil versões: desde “morte ao Woody Allen ” até “isso é historia da ex recalcada que nao superou ser trocada pela filha” (pq ele é casado com uma moça que foi sua filha adotiva, né?).
      Eu prefiro sempre dar um voto de confiança às vitimas, porque o mundo ja duvida delas demais.

  • Nathalya Neves

    que texto!!!!!!!!! sem palavras, ficou sensacional

  • Geraldo Azevedo

    Esse artigo poderia muito bem se chamar: os cem modos como ofeminismo justifica o fascismo!

    “Não julgue o cara”

    – qual o problema com essa frase. Nenhum. Se ele é um criminoso, basta que pague a sua dívida social na cadeia. Estigmatizá-lo ou demonizá-lo é apenas ódio conservador, do mesmo tipo do de justiceiros raivosos que prende trombadinha em poste.

    “vocês tem provas do que estão dizendo?”

    – olha, se vocês realmente tem problemas com essa frase, não tem remédio. Um das grandes conquistas da nossa sociedade, que permitem, por exemplo, que vocês não sejam julgadas como bruxas por uma inquisição cristã, é o advento do presunção de inocência: inocente até que se prove o contrário. Qual a alternativa que vocês sugerem? Voltar à colônia de férias medieval e dar autoridade ao estado para trancafiar e tirar os direitos das pessoas sem provas?

    “Isso é muito sério, pode acabar com a vida do cara”…

    …ué, o que vocês sugerem aqui? Que acabar com a vida de uma pessoa sem provas é igual comer confete? Acusações desse teor são sérias sim e tem de ser feitas com responsabilidade. Temos meios legais para conduzir esse tipo de acusação por um motivo: não para “proteger machos-hegemônicos de uma sociedade patriarcal”, mas para evitar que o braço do estado tenha poder absoluto sobre nossos direitos e nosso corpo. O grau de insensbilidade e fascismo desse artigo só é ainda mais surpreendente porque provavelmente a autora pensa que fez um texto muito “progressista”

  • Cristiano Lagame

    A Rede Globo é nojenta, sempre foi… Absurdo tudo isso. Ótimo texto!

  • Johnny Victor

    Esse seu texto tá arrepiante e não tem como ler isso sem se indignar e sem compartilhar. Até mesmo bastante esclarecedor pra quem continua ”em cima do muro”. É importante haver a percepção de que estar em cima do muro, é também dar as costas para o oprimido, qualquer que seja a questão em debate.

    Quando você cita o caso Woody Allen, preciso destacar essa parte:
    ”Para mim, quando a gente admite que um abusador continue vivendo sua vida como se nada tivesse acontecido, a gente tá sendo conivente e, pior, muito egoísta. Pra mim a gente tá dizendo, em outras palavras, “EU não ligo se ele é um criminoso, porque EU gosto das obras dele e EU não quero parar de fruir disso”. Mesmo que doa pras vítimas ver o nome do seu abusador em letras brilhantes e listas de Oscar.”

    Isso me fez lembrar do caso recente de uma artista que eu gosto muito, a Kesha. Ela move um processo contra o produtor/empresário dela, o hitmaker Dr. Luke. Acusa de diversas torturas psicológicas e abuso sexual. Está com o processo rolando há um tempão, impedida de seguir com a própria música porque não pode lançar nenhum trabalho que não seja com ele. O povo diz ”ela devia terminar o contrato e lançar as músicas com ele, melhor isso do que acabar com a carreira. Como assim, cara? Como virar e falar ”Aqui, sei que o cara abusou de você, te humilhou e você teve coragem pra enfrentar e expor isso pro mundo, mas aqui, trabalha de novo com ele rapidão pra lançar um cd novo aí”.
    Ela tá movendo uma ação pedindo pra poder trabalhar sozinha até que o julgamento do processo saia, mas até então está sem resposta.
    O mesmo já vi acontecer com artistas menos famosas que foram silenciadas pelo monstro que é a indústria do entretenimento e tiveram tanto suas carreiras, quanto seu psicológico arruinados por isso. Não é loucura.

  • Douglas Dario Vieira

    Texto puro chorume.

    Primeiro:

    “Pedofilia é atração por crianças PRÉ PÚBERES, e criminalmente é relação com meninas de menos de 14 anos.

    Se a garota de 16 e 17 anos estão com ele POR VONTADE, não vai ser o mimimi de vocês que mudará isso.

    Segundo é MAIS DO QUE NORMAL este programa merda do BBB, caras andarem de cueca, transarem, andar pelado e os caralho a 4

    Se ele tivesse uns 25 anos, alto definido a estérica lá nao teria feito aquele show.

    Agora, se os pais das meninas deixam ela namorar, com essa idade, ou pelo oque eu saiba a namorada dele tem 19 anos..

    mas admitindo que tem 16/17 quem tem que controlar o namoro são os pais.

    Outra, ele disse que TOMA BEBIDAS com essas meninas, porra, ele nao forçou nada, elas vão as festas com ele pq querem etc.. etc.. etc…

    Agora vcs bancam os defensores do pudor, mas na hora de dizer que mulher dá para quanto e quem quiserem, “amor livre”, “Sexo livre” “liberdade feminina”.

    Mulher dá para quais e quantos quiserem, e aborto pelo SUS, vcs cagam para a moral.

    Agora são puta moralistas?

    Estão de brincadeira.

    • Andrea

      Inacreditável como homem so sabe falar merda.

    • Wilka Paz

      tu quer comparar a liberdade sexual de uma MULHER com a de uma menina, de uma criança. Vai-te pra pqp. Outro pedofilo aqui.

  • Elias Pacheco

    Ele pode ser um pedófilo. E pode não ser.
    Até agora não houve nada que confirme pedofilia, ou seja, desejo por criança, da parte dele. É preciso entender: criança é criança, adolescente é adolescente. Criança: antes da puberdade (ou seja, a pessoa não desenvolveu o corpo para o ato sexual). O pedófilo nem sempre gosta de adolescentes.
    O que ele confessa (e o que todos podem ver) é que sente atração por adolescentes. Isso não é proibido, não é ilegal, e definitivamente não é pedofilia. Cabe aí uma questão moral: essas adolescentes, apesar de terem desenvolvido seu corpo e serem tecnicamente mulheres, não “têm cabeça/juízo”. São um tanto vulneráveis. Embora isso seja relativo, pois, afinal de contas, como você pode determinar a idade em que as pessoas se tornam autônomas e donas de suas próprias vontades? 18 anos é apenas uma referência usada para se falar em maioridade. Por que não 17? Por que não 19, 20, 21? Aqui a maioridade sexual é considerada de forma diferente da maioridade penal: a partir dos 14. Por que não 16? Por que não 15?…
    O que existe de condenável de tudo que vi até agora foi a questão da bebida. Ele realmente embriagou menores de idade para ter sexo? Se isso aconteceu, ele é um criminoso.

    • Maria Celina Gil

      Como eu falei em diversos outros contarios do texto, eu useio termo pedófilo o temp todo porque pra mim, dado a diferença de idade e vivência nesse caso em especial, não vejo diferença entre 12, 14 ou 16 anos. O que atrai um homem de quase 60 anos em meninas dessa idade, afinal?

      E sentir atração por adolescente pode não ser ilegal, mas atitudes advindas disso podem ser. Só para citar um exemplo, deter ou d stribuir materiais pornográficos de menores de idade (independente da idade) é crime.

      O que a lei prevê é que atos libidinosos ou sexuais com menores de 14 anos NAO TEM DISCUSSAO: é estupro. Acima disso, se praticado por maiores de idade, pode ser enquadrado da mesma forma dependendo das circunstâncias.

      E não existe “se” na questão da bebida. Ele mesmo confessou em vídeo.

      Mas esses “ses” todos que as pessoas vêm me apontand estão me preocupando um pouco. Por que não fazemos o exercício de dar um voto de confiança às vítimas ao invés de dar o beneficio da dúvida ao abusador?

      • Aprendiz

        Achei o texto muito bom, mas vou aparecer aqui correndo o risco de ser linchado porque acho que não entenderam bem o comentário do Elias. É questionável um homem de 30 anos sair com uma menina de 14? Totalmente. Mas é questionável um homem de 20 anos sair com uma menina de 17? Pessoalmente acho que não (mas admito que posso estar errado). Então o que se está questionando aí é se a lei está certa em considerar que meninas de 14 anos já tem maturidade para decidir sobre seus atos sexuais (e concluímos que a lei está errada) e qual seria a idade correta.

        Sobre a questão pedófilo e efebófilo, pensem que unir os dois conceitos não ajuda ninguém. Inclusive porque a pedofilia também NÃO é crime. O crime é a prática, mas a pedofilia é uma condição mental, uma parafilia e, de certo modo, uma doença, que se caracteriza exatamente por sentir atração por pessoas (mulheres e crianças) que ainda possuem corpo não desenvolvido. Veja bem, ainda que seja questionável o relacionamento com uma menina de 16, do ponto de vista psicológico esse interesse é muito distinto daquele relacionamento com uma criança de 8 anos.

        Então, o que eu gostaria de humildemente sugerir, é que, ao invés de falar “isso é pedofilia” (do que tenho que discordar, mesmo tentando concordar), falar “isso é abuso” (com o que eu concordo). E quem sabe, ir mais fundo ainda dizendo: “vamos falar de efebofilia”?

        Espero não ter ofendido ninguém e gostaria de comentários que me ajudassem a entender melhor a questão e evoluir como ser humano.

        Obrigado.

        • Maria Celina Gil

          Eu falei no texto e nos cmentários mais de uma vez que pra mim essa diferença de idade, nesse momento da vida contava muito.

          Quanto a isso da “efebofilia”, não me agrada o termo, não uso. Até hoje só vi sendo usado pra abrandar situacoes de abuso.
          Se você tiver links de artigos sobre o assunto eu agradeço.

      • Elias Pacheco

        Ok, vamos lá…

        Maria, você está cometendo um grave erro de conceituação. Seu texto assim está contribuindo para desinformar muita gente.

        Entenda de uma vez: pedofilia refere-se ao desejo (e não sexo) com crianças. Não é sexo com menor de idade, não é sexo com adolescente. Não é desejo por “teen” com o corpinho definidinho e malhado da academia.

        Normalmente, existe diferença entre uma pessoa de 12 e uma de 14 e uma de 16 anos, mas mesmo que não houvesse, pedofilia é o desejo por pessoas com ainda menos de 12! Ou seja: o corpo não se desenvolveu sexualmente falando. A menina não tem nada de seios, não menstruou, o menino não tem pelos, não mudou a voz, não houve acne. Enfim, criança mesmo, na fase de brincar.

        E o conceito não muda só porque você quer. Conceito de pedofilia não é subjetivo.

        O pedófilo pode se sentir TAMBÉM atraído por púberes de 12 – 14 anos (ou seja, pessoas que estão já se desenvolvendo fisicamente para o sexo, mas que ainda pareçam muito crianças). Porém, dificilmente vai gostar de meninas ou meninos pegando corpo, proporção, seios, bumbum, músculos (já quase mulher/homem).

        Até porque o corpo de um adolescente é atraente. O corpo se desenvolveu também pra isso, não é mesmo?

        Cabe aí uma questão moral, pois se o corpo já se desenvolveu e pode receber sexo, procriar etc, a cabeça não acompanhou esse desenvolvimento e a pessoa é super-vulnerável (o que é relativo em muitos casos que não cabem aqui).

        Até agora só li (nos tantos blogs que desinformam, como o seu) que o tal do Laércio gosta de meninas na faixa dos 15 aos 19 anos. Isso definitivamente não é ser pedófilo. Ao chamá-lo assim estamos cometendo um erro (e mesmo um crime, o que desvirtua suas intenções).

        E, além do mais, ser pedófilo em si não é um crime para sairmos gritando “seu pedófilo!”.

        É uma doença, uma condição. Nem todo pedófilo se aproxima de crianças. Muitas vezes ele sofre por isso, não se aceitando, e até há casos de suicídio. Ou seja, pedofilia se refere apenas ao desejo em si. O ato sexual com criança deve ser chamado de “abuso de vulnerável”, “estupro”, etc, e não de “pedofilia”. Novamente, pedofilia é a doença que o sujeito tem ao desejar uma criança sexualmente.

        O problema da pedofilia pode ser contornável sem gerar nenhum abuso sexual, mas fica difícil se a sociedade está tão desinformada.

        Sabe qual outro mal em todo mundo sair conceituando tudo absurdamente errado como você está fazendo? É que amanhã ou depois tudo passa a ser “pedofilia”, e nós sabemos que essa é uma palavra bem pesada. É basicamente a pior coisa que se pode ser, depois de estuprador. Se a coisa é subjetiva e cada um chama pedofilia o que quiser, logo você também pode ser acusada no futuro de algo do tipo, ou algum familiar seu. Fica tudo muito vago e maluco, não é mesmo?

        Suponha que alguém de 60 anos se apaixone por uma pessoa de 25. Tem gente que chamará de pedófilo(a), também. Isso já é assim, já acontece. Quer dizer que só podemos nos relacionar com quem tenha nossa idade?

        E se transar com uma pessoa menor de 18 anos fosse pedofilia, como você tem sustentado, então veja só. Quando minha mãe engravidou de mim ela tinha 16 anos. Meu pai era maior de idade. Quer dizer que meu pai seria um pedófilo por transar com uma mulher poucos anos mais jovem, que já tinha corpo de mulher (se não tivesse, eu não teria nascido) tanto quanto ele de homem?

        Além do mais, quando conceituamos errado, perdemos credibilidade e parecemos desonestos. Você quer mostrar o quanto odeia pedofilia e o quanto quer proteger as mulheres, mas tá confundindo a cabeça de quem te lê: vejo gente falando que um tal de Laércio do BBB é pedófilo, vou procurar as informações e caio num blog como o seu, que não me esclarece nada sobre o assunto. Sacou?

        Com relação a bebida para menor de idade (18 anos). Sim, é um crime. E ainda mais se for pra ter sexo. Mas não é pedofilia. Confesso não ter assistido vídeo dele admitindo isso, mas se é verdade, temos um abuso aí, não precisamos inventar uma coisa que ele não é. Você não acusa uma pessoa de roubar bancos por ser sequestradora confessa. Não chama alguém de ladrão por saber que ele cometeu um crime passional.

        São coisas diferentes e é tão óbvio que eu não precisava estar dizendo isso. Mas estou, e por quê? Porque, ao invés de focar seu texto numa coisa concreta (bebida para menores), você focou numa acusação que não se pode provar (“é pedófilo!”).

        Seria fácil, bonito, coerente e honesto você ter mantido seu texto naquilo que podia provar, já que o tal Laércio é um monstro. Mas, ao despejar sobre ele um caminhão de informações desencontradas, você acabou perdendo credibilidade de muitos leitores.

        E respondendo sua última pergunta: “Por que não fazemos o exercício de da um voto de confiança às vítimas ao invés de dar o beneficio da dúvida ao abusador?”.
        Obviamente, a acusação não basta para incriminar. Uma pessoa não é vítima só porque diz que é, nem outra é abusadora só porque juram que é. As provas são importantes. Ainda bem, já pensou se você fosse isso ou aquilo só porque alguém apontou o dedo e disse que é? É claro que temos de tratar com seriedade uma acusação (ainda mais de estupro), mas não podemos partir do pressuposto que toda acusação indica uma verdade. Claro que eu nem precisaria dizer isso, pois é a coisa mais óbvia do mundo.

    • Edivaldo Rocha

      Claro que é proibido! 18 anos que não é CRIME. Oferece bebida alcoólica a Nenor de idade e CRIME, quanto mais oferecer bebida e fazer sexo, ele disse que fez os 2. Esse cara é criminoso.

      • Elias Pacheco

        Dar bebida para menor é crime. Ainda mais para ter sexo. Mas isso não é pedofilia.
        Confesso que não vi nem li ele admitindo isso (dar bebida para ter sexo, e com menor de idade). Mas se é verdade, ele é um criminoso, já existiria algo claro e concreto para acusá-lo.
        O meu ponto não é defender alguém que embriaga adolescentes, mas apontar o erro de conceituação para “pedofilia”.

  • Maria Celina Gil

    Gente, vou escrever aqui pra facilitar:

    EU SEI QUE PEDÓFILOS GOSTAM DE CRIANÇAS E QUE O RESPEITÁVEL SENHOR DE QUEM FALO NO TEXTO DISSE QUE GOSTA DE ADOLESCENTES.

    Mas EU não vejo diferença entre um homem de quase 60 anos curtir meninas de 12, 14 ou 16 anos, PORQUE PRA MIM todas são crianças perto dele.

    ISSO É O QUE EU PENSO SOBRE O ASSUNTO, INDEPENDENTE DO QUE O CID, A LEI, A ETMOLOGIA OU A WIKIPEDIA DIGA.

    Tá bem assim? Podem começar a prestar a atenção no que realmente importa agora 😉

    • Aprendiz

      Eu acho que essa confusão de termos é o que está justamente desviando a atenção das pessoas do que realmente importa. Não vejo como jogar tudo no mesmo saco ajuda alguém. E se é verdade que há pouca diferença entre uma menina de 14 e uma de 16 anos, também é verdade que há pouca diferença entre uma de 17 e outra de 18, mas o caso é que em algum momento vamos ter que considerar que a mulher tem idade sim para decidir. Então eu pergunto: que idade é essa na SUA opinião?
      Aproveito para perguntar se você considera igualmente criminoso que um rapaz de 18 anos se relacione com uma menina de 16, e em caso negativo, como você acha que a lei deveria funcionar nesse caso.

      A questão da diferença entre ser pedofilia ou não não tem nem a ver com a idade da menor, mas com o corpo dela. Pessoalmente, eu sou capaz de achar mulheres de 16, 17, 19 anos atraentes e não pensar em me relacionar com elas por achar nossas idades incompatíveis, por outro lado, meninas (crianças de verdade), não despertam nenhum tipo de atração em mim. Então veja só: você está me chamando de pedófilo SEM que eu me sinta atraído por crianças, SEM que eu me relacione com adolescentes, SEM que eu pratique qualquer abuso (minha namorada tem 32 anos e é mais velha que eu) e ainda espera que eu concorde e seja simpático ao seu texto. Seu texto é ótimo e eu defendo como posso a causa feminista. Me considero um machista em plena desconstrução.

      Mas tem coisas que não dá pra simplificar assim como você fez.

  • Dimitri

    Porque as pessoas fazem escândalo (com razão) com esse cara, mas com o Marcelo Camelo não? Ele transou com uma menina de 14 anos!!!!

    • Juliana França E Silva

      Pensei exatamente nele! Acho que abusou de uma fã inocente… Mas como o cara é músico, poeta… Ela também… Aí é amor! Quando é com ídolo as pessoas “perdoam”… Não é porque o adolescente consente que deixa de ser errado… Se um adolescente menor de idade te pede um cigarro, uma bebida alcoólica, você dá? Simplesmente porque ele quer?

    • Bru

      Fizemos escândalo sim, mas na época a internet era “menor” e como sempre fomos acusadas de histéricas, mal amadas e as reclamações foram esquecidas.
      Inclusive vi a Mallu Magalhães numa propaganda contra a pedofilia na MTV e isso cortou meu coração.

  • Max Log

    Ele falou q é ebófilo, ebofilia tem uma variação mínima em relação a pedofilia… ele falou que embebeda as meninas menores de idade para facilitar o consentimento, tem uma serie de crimes ai, mesmo nessa lei fraca e banalizada do Brasil, incluindo apologia ao crime de pedofilia, de estupro de vulneravel, propaganda de eficácia de alcool como entorpecente para date-rape. http://criminalminds.wikia.com/wiki/Hebephile

  • Pingback: 52 WEEKS – 5/52 – dreams()

  • Esse texto resume um dos motivos de não gostar da Globo e seus programas! TUDO lixo! Não está me fazendo falta e estou ótimo sem esse estrume televisivo! Agora, é muito mais deprimente ainda que a emissora baixe a tal ponto de aceitar estirpes como esse! Aí, faço a pergunta, segundo o texto da Celina (curti seu nome aliás. Saquei a referência! Rsrs), esse ser impregnável de estrume fez uma CONFISSÃO em rede nacional e NENHUMA autoridade se manifestou? Não fez averiguação de fatos? Olha… sério… tá de parabéns!

    No mais, muito show seu texto, Celina! Abraços!

  • Marcos Correia

    Queria ver os defensores desse cara se as meninas que ele embebeda fossem filhas deles.
    “Normal! Amor não tem idade.”
    Sei…

%d blogueiros gostam disto: