Ah Game of Thrones… Às vezes é muito difícil ser fã dessa saga. Reclamar das decisões da série para mim já é chover no molhado, sempre que vou falar de fantasia medieval o nome aparece (mais como exemplo negativo do que positivo, infelizmente). Entre muitos xingamentos que aparecem quando falamos da “Oh série intocável”, muitos caras aparecem com várias pedras na mão falando “Se você reclama, por que assiste?”. Eu não sei esses caras, mas eu sempre tento ter um olhar crítico com tudo que consumo e já falei inúmeras vezes que, apesar de escolhas ruins, eu gosto sim de Game of Thrones.

Eu falo tanto exatamente porque gosto, porque acompanho e porque quero que melhore. É isso que nós buscamos quando criticamos algo, a melhora, e é um pouco por causa disso que parei hoje, mais uma vez, para falar dessa série.

Bom, todo mundo já sabe a essa altura do campeonato sobre a polêmica da quinta temporada. Se você não está em dia com a série, sugiro que pare de ler o texto por aqui. Talvez por causa de tudo isso, as coisas tenham mudado de certa forma na sexta temporada e espero que continue mudando. Porém, esse assunto voltou a aparecer na minha timeline do Facebook.

D.B. Weiss e David Benioff deram uma entrevista para a Times e, entre vários assuntos, comentaram sobre o estupro da Sansa na quinta temporada e a questão da violência sexual no mundo de Game of Thrones:

Pode não ser o nosso mundo, mas ainda é a mesma dinâmica de poder entre homens e mulheres nesse mundo medieval. Isso é o que nós acreditamos que aconteceria.

Nós falamos sobre isso. Existe outra forma em que ela poderia evitar esse destino que não parecesse falsa? Onde ela consegue finalmente se salvar? Não há nenhuma versão disso que não parecesse completamente horrível.

Sophie Turner também se manifestou sobre o assunto.

Esse era o assunto mais comentado no Twitter e te faz pensar: Quando isso acontece na vida real, por que não vira sempre o assunto mais comentado? Era uma personagem fictícia, eu pude sair da situação sem problemas. Vamos pegar essa discussão e esse diálogo e usar isso para ajudar pessoas que estão passando por isso nas suas vidas. Parem de transformar isso em tabu e vamos abrir uma discussão

Vamos por partes, porque esse é um assunto delicado e, no caso de Game of Thrones, cansativo. Eu não sei qual é a imagem que vocês tem da gente aqui do Collant, mas nós não ficamos esperando os produtores fazerem qualquer comentário sobre as polêmicas e falamos “Como podemos reclamar hoje?” *insira risada maléfica aqui*. Mas vamos lá.

Começando pelas declarações de D.B. Weiss e David Benioff. Quando você cria alguma história, sempre há aquele momento em que você precisa avaliar se o que está acontecendo faz sentido com o universo criado e com os personagens envolvidos. Eu já mexi com ficção e sei que isso nem sempre é uma coisa fácil e, acredito que por se tratar de uma adaptação, às vezes pode ser até pior, porque aquele universo nem é originalmente seu, mas você precisa fazer justiça, ainda mais considerando que Game of Thrones já tem inúmeros fãs dos livros.

Um estupro em Westeros de fato é algo que podemos acreditar que aconteceria, mas a pergunta é: Precisa? Ainda mais considerando que isso nem existe no original? Vamos pensar na construção de personagem da Sansa. Ela começa como uma adolescente, deslumbrada por histórias de amor com cavaleiros, que sonha em fazer parte de uma delas. Semelhante ao arco de Bran, Sansa está destinada a descobrir que o mundo é muito mais cruel do que ela imaginava. Ela acredita conhecer o tal príncipe galante e descobre que Joffrey está muito longe disso. Ela é agredida, fisicamente e psicologicamente, é forçada a se casar com um homem que não quer e aguenta muita coisa dos Lannister. Quando foge e acredita estar segura, leva um outro choque de realidade ao perceber que sua tia também não é confiável. Isso é o arco dela até a quarta temporada.

Ou seja, a história de Sansa era começar como uma menina inocente, que tem uma visão idealizada do mundo. Com o tempo ela percebe que Westeros é cruel e, se ela quiser lutar e sobreviver, precisa aprender a jogar o jogo dos tronos. Eu já perdi a conta de em quantas discussões eu estava em que as pessoas diminuíram a Sansa como fraca, quando ela é talvez a jogadora mais esperta no momento atual da série. Afinal de contas, ela sobreviveu, coisa que muitos personagens não conseguiram.

Até aí tudo bem. No final da quarta temporada, vemos uma Sansa muito mais madura, preparada e aprendendo com Mindinho como jogar ainda melhor. Várias coisas poderiam ter acontecido com a personagem: Lidar com o que aconteceu com a família, com o seu próprio “novo eu”, conseguir entender que Mindinho não quer o melhor para ela e se livrar disso, provar para os homens do Norte que ela é tão capaz de governar como qualquer um de seus irmãos… Existiam várias opções. Colocar ela nas mãos do Ramsay é repetir algo que já vimos na personagem, ela já tinha enfrentado o Joffrey, isso não adiciona nada para a história de Sansa.

Eu entendo que a série precisa diminuir as coisas. É normal que eles juntem personagens que não se encontram no livro para facilitar o andar da série. Seria até aceitável ela de fato se encontrar com Ramsay se a história não repetisse algo que ela já viveu. Eles dizem que não conseguem imaginar uma possibilidade em que Sansa não fosse estuprada, mas eu consigo: Eles não se casam. Ramsay esperou para estupra-la até depois do casamento. Era só mudar a ordem das coisas. Ramsay e Jon começam a entrar em conflito antes do casamento com a Sansa, portanto as atenções do Ramsay iriam para a guerra e ele se preocuparia com ela depois. Isso dá tempo da Sansa fugir, ir até Jon e pedir socorro. Ramsay tinha tomado conta de Winterfell e aterrorizado Sansa, portanto Jon não precisaria de mais motivos para tomar as dores e querer Ramsay morto. É simples, funciona, não força a personagem a passar por algo terrível e não banaliza estupro.

Além desse acontecimento ser desnecessário para a história, as pessoas esquecem que estupro é um assunto muito delicado. Infelizmente muitas mulheres passaram por algum tipo de violência sexual e ninguém quer ver isso banalizado numa série de televisão. “Ah mas é fantasia medieval, não gosta dessas coisas então não assiste”. Não há absolutamente nada no gênero de fantasia medieval que faça o estupro ou a violência contra a mulher ser necessário. É diferente de uma história de gore, que as pessoas esperam ver coisas gráficas, ou de terror, em que as pessoas esperam tomar susto e ficarem com medo. Isso são características desses gêneros, então sim, nesse caso você pode dizer que se não gosta, não assiste. Gêneros de fantasia não tem nenhuma relação com estupro, mas esse tipo de violência é colocada toda a hora por causa do falso “naquela época” (e sinceramente, um pouco de preguiça de quem tá escrevendo também). Sem contar que, infelizmente, a maioria dessas histórias mais conhecidas são construídas por homens privilegiados e com falta de criatividade, repetindo clichês e estereótipos a exaustão.

Quando você cria uma história, para qualquer mídia, você tem sim que considerar a sua responsabilidade em tratar de certos assuntos. Estupro é uma questão muito delicada, que precisa ser representada de forma cuidadosa. Quando Game of Thrones banaliza essa questão, a série está sendo irresponsável. O fato do universo ser violento pouco importa, Mad Max: A Estrada da Fúria é uma história que se passa em um mundo violento e lida com esse assunto de forma muito melhor.

Se você realmente quer falar de estupro, faça com que essa violência seja usada para trazer reflexão sobre o tema, para mostrar a personagem entendendo e lidando com isso. Quando Game of Thrones coloca o estupro de Sansa como algo do ponto de vista do Theon, a agressão está sendo banalizada em prol da dor do personagem masculino. Você pode dizer “ah, mas isso foi para deixa-la mais forte, Sansa se vinga depois”. Primeiro que ela já era mais forte, como eu expliquei, isso não trouxe nada de novo. Segundo que usar um estupro para fazer a personagem ter um estalo sobre algo, dar motivo para ela seguir em frente e mais combustível para a história é ruim. Falta de criatividade e banalização. Eu recomendo que vocês leiam esse texto da Lady Sybylla sobre o assunto.

Há um ponto importante na declaração de Sophie Turner. De fato nós falamos menos disso quando é algo da vida real, a televisão tem o poder de trazer certas discussões para a casa das pessoas e isso é importante. O assunto é tabu mesmo e precisa ser discutido, mas há maneiras de se fazer isso. Não há nenhum problema em uma história de fantasia medieval discutir o estupro ou ter uma personagem que levanta essa questão. O problema é que, com a história de “é um mundo violento”, inúmeras personagens já sofreram algum tipo de agressão, seja tentativa ou o próprio estupro. Há formas de mostrar um mundo violento sem que todas as suas personagens mulheres passem por algum tipo de violência sexual. Um mundo onde as pessoas morrem por pouco e com tantas batalhas não é violento o suficiente? Precisa ainda ficar jogando estupro na tela de forma irresponsável?

Sem contar que o que aconteceu com a Sansa não levanta uma discussão sobre a cultura do estupro, exatamente porque ele foi usado de forma banal. O que aconteceu com Sansa foi feito para dar movimento para a história, para “fortalecer a personagem”, não para trazer algum tipo de consciência sobre a questão. Não é toda a obra de ficção que precisa trazer uma grande reflexão sobre a vida, mas se você se propôs a colocar um assunto tão pesado quanto estupro, você precisa ter consciência sim da mensagem que você está passando.

Não é só Sansa que teve a história modificada. A cena entre Drogo e Daenerys ficou muito mais violenta na série. Eu tenho lá meus questionamentos de como o casal foi romantizado no livro, mas a série consegue deixar a situação pior. Além da cena ser um estupro, depois eles voltam para o caminho original do livro onde eles se apaixonam e essa cena nunca mais é questionada.

E ainda tem o estupro de Cersei na quarta temporada. Não há nenhuma situação de violência sexual entre Cersei e Jaime no livro, mas ainda assim os produtores sentiram a necessidade de colocar isso na série. E para que? Absolutamente nada. Aquela cena não tem função alguma. Quer mostrar que a relação entre os irmãos é tóxica? Ótimo, mas faz isso sem banalizar estupro, sem adicionar uma violência que nem estava aí para começo de conversa. Sem contar que tanto para Cersei quanto para Daenerys, a violência que elas sofreram foram normalizadas, porque em nenhum momento a história dá a devida atenção para essas cenas.

Eu sinceramente não sei o que se passa na cabeça deles quando tomam certas decisões. Não acho que eles ficam rindo malignamente pensando em como deixar o público irritado, mas acho sim que falta um cuidado e certa consideração com assuntos delicados. O fato deles ainda justificarem essas escolhas também me preocupa, porque significa que eles não perceberam ainda porque tanta gente reclamou. Eu vejo sim melhoras quando comparo com a sexta temporada, mas não confio na HBO para aprender com esses erros e fazer melhor, até porque ao que parece, eles nem consideram o que aconteceu com Sansa (e as outras personagens) um erro. É sim importante falarmos desses assuntos, mas usar pelo fator choque é só uma forma barata e sem criatividade de causar burburinho e trazer publicidade para a série.

%d blogueiros gostam disto: