Ser mulher no mundo nerd apresenta todo tipo de dificuldade, seja você criadora, seja você crítica/comentadora, seja você personagem, seja você atriz interpretando personagem. Lembro que quando a Scarlett Johanson foi escalada como Viúva Negra muita gente caiu em cima da coitada porque ela não tinha o corpo certo, porque ela era loira, porque ela era “muito gostosa”, porque ela não parecia forte o suficiente. O excesso de preocupação com a aparência da personagem feminina nas adaptações é tão grande que antes mesmo do filme entrar em produção a equipe do O Fantástico Homem-Aranha teve que soltar uma nota dizendo o quão surpresos eles estavam por descobrir que o cabelo da Emma Stone, que interpretou a Gwen Stacy, era, na verdade, loiro! Fãs podem ser cansativos.

wonder woman

A última a receber uma saraivada de comentários negativos quanto à sua aparência ser inadequada para o papel foi Gal Gadot, que dá vida à Mulher-Maravilha no próximo filme da DC, Superman vs Batman. Deixando de lado o quão horroroso é esse nome de filme, Gal tem sido vítima do ódio nerd desde que seu nome apareceu como possível candidata. Por ser magra demais, por ser branca de menos, por ser modelo demais, por ser musculosa de menos, por ser branca de mais, Grega de menos. Por não ter os olhos azuis e por não ter o cabelo cacheado o suficiente. A verdade é que Gal nunca foi suficiente para ser a Mulher-Maravilha aos olhos dos fãs.

Eu entendo que a gente guarda com carinho aquele desenho tradicional dos nossos personagens – entendo mesmo. Mas é incrível como com mulheres essa discussão toda toma um nível ridiculamente exacerbado. Quase ninguém gosta do Ben Affleck como Batman porque ele é o Ben Affleck, tiram sarro do queixo furado dele, mas isso não define o ator. Henry Cavill foi criticado por ter pelos no peito, mas fora não houve grande alvoroço sobre a sua escalação. Gadot, por outro lado, tem aguentado um mar de críticas objetificantes.

Recentemente, a interprete da amazona comentou durante uma entrevista

“Eles disseram que eu era muito magra para o papel e que meus seios eram muito pequenos [risos]… Depois de terem me perguntado, aqui em Israel, se eu tinha distúrbios alimentares e o porque de eu ser tão magra – eles disseram que minha cabeça era muito grande e meu corpo era como uma vassoura – eu posso aguentar qualquer coisa. É só conversa vazia. Eu entendo que parte do que estou fazendo significa estar exposta, e parte de estar exposta significa ficar sob fogo direto.

Quando eu era mais nova eu encarava críticas muito mal, mas agora a maioria delas só me diverte. A verdadeira amazona tinha um único seio para não atrapalhar com o arco. Então não é como as amazonas de verdade, a gente sempre tenta deixar todo mundo feliz, mas não conseguimos.”

 Acho ótimo que ela esteja falando abertamente sobre as críticas. Sou muito a favor de que a representação feminina não fique só dentro do padrão magro que Hollywood impõe, mas também não acho que criticar a atriz por estar dentro desse padrão é o caminho correto – até porque essas críticas, em sua imensa maioria, não vêm para questionar esse padrão, e sim para diminuir a atriz. As críticas devem ser direcionadas à quem impõe esses limites, essas diretrizes do que é bonito e vendável.

Wonder-Woman-Gal-Gadot

 Aliás, quando Gal fala sobre as Amazonas originalmente não terem um dos seios, me lembrou o modo como fanboys adoram usar esse argumento numa tentativa de diminuir e descredibilizar a Mulher-Maravilha. O que mais dá em grupos de facebook e discussões sobre a personagem é gente jogando essa informação, tentando passar como grande conhecedor de mitologia, mas na verdade diminuindo a personagem.

A Mulher-Maravilha é um símbolo de empoderamento e, particularmente, acho que ela tem a força necessária para o papel. Agora nos resta esperar o lançamento de Down of Justice para saber o que realmente importa: o que a atriz trouxe para o papel e como o roteiro trabalha a personagem.

via Robot Underdog

%d blogueiros gostam disto: