Eu falei sobre o trabalho da Fefê Torquato antes, quando li o incrível Gata Garota, lançado pela Editora Nemo. Hoje eu volto falando sobre o novo projeto da Fefê o Estranhos, que está no Catarse!

Capa1

Uma das coisas que eu mais gosto no trabalho da Fefê é o modo como ela une linhas e traços geométricos com formas mais orgânicas e arredondadas. Se esse traço já aparecia muito bem no Gata Garota, mas em Estranhos ele parece fazer ainda mais sentido com a ênfase na arquitetura da cidade.

Fiz umas perguntinhas pra Fefê pra gente saber um pouco mais sobre o projeto e sobre a artista também!

Como surgiu o Estranhos?

Na verdade duas das histórias eram contos independentes que eu escrevi em 2008. Um deles estava inacabado, inclusive. E naquela época eu só escrevia, não fazia quadrinhos ainda. Então lendo de volta esses tempos, eu gostei bastante e pensei numa forma de uni-los num projeto. E apesar de serem duas histórias diferentes elas tinham em comum o fato de serem sobre gente e sobre algo muito particular em suas vidas. A ideia geral de cada história era sobre um evento cotidiano insignificante que tomava uma dimensão desproporcional e esclarecia algo muito maior sobre cada personagem. Então bastou inventar outras 8 histórias e criar um contexto único para todas.

Como é o seu processo de criação? Você tem a idéia da história e já se joga na produção ou tem um momento de organização, para estruturar o roteiro e programar os desenhos?

Eu escrevo primeiro, e às vezes faço de uma forma já adaptada à narrativa dos quadrinhos, mas minha tendência é sempre escrever de forma solta e independente, onde o texto meio que já basta por si só. Não é muito esperto, e dá mais trabalho depois, mas é como eu me costumei fazer.

Então eu começo a rabiscar ideias sobre como serão os personagens e os fundos. E ao mesmo tempo procuro referências visuais sobre como eu quero que a história pareça, se vai ser colorido, ou em preto e branco, que tipo de acabamento, traço e tudo mais.

A partir daí eu faço um storyboard simples pra ter uma ideia geral da história e depois disso um storyboard mais detalhado, usando as características já definidas dos personagens com as referências já estabelecidas.

E daí eu finalizo!

Você tem algum(a) quadrinista como referência? Alguém que te inspire bastante?

Eu confesso que muitos quadrinistas me inspiram a trabalhar, mas raramente eu os uso como referência nos meus trabalhos. Em geral como referência eu uso ilustradores, filmes e livros. Nesse trabalho específico eu usei como referência os desenhos de um artista francês chamado Grems, em especial as paisagens urbanas que são muito gráficas e simples mas que de tão ricas criam uma padronagem bem legal.

Preview

Para acompanhar o processo de criação de Estranhos você pode seguir a Fefê no Instagram e curtir a page dela no Facebook. No canal do youtube dela também dá pra ver a lindeza dos SpeedDrawings e dos desafios DrawOutside. A Fêfê também tem liberado umas tirinhas filmadas hilárias sobre A Vida Enquanto Catarse, mostrando de maneira divertida como ela lida com a ansiedade de ter um projeto em financiamento coletivo.

Então já sabem, corram lá no Catarse, transformem esse projeto em realidade e recebam de recompensa um monte de coisas lindas. <3

%d blogueiros gostam disto: