Há alguns anos comecei a seguir um site chamado The Mary Sue, com certeza o site que iniciou minha educação sobre a questão da representatividade dentro da cultura pop que eu consumia tão ferozmente todos os dias. Lá conheci um monte de mulheres que escreviam sobre todo tipo de assunto nerd, uma delas justamente Becky Chambers, autora do lançamento da vez da editora Darkside: A longa viagem a um pequeno planeta hostil.

Becky é filha de uma especialista em astrobiologia e de um engenheiro espacial e neta de um dos participantes dos projetos Apollo da Nasa, ou seja: ciência é algo que corre em suas veias. E, como a gente bem sabe, para atravessar da ciência real para a ficção científica é um pulo. Apaixonada por Star Trek e pelo trabalho de Carl Sagan, todo esse universo de ficção e ciência só podia resultar numa escritora muito talentosa.

Em seu livro de estreia, Becky cria um romance que gira em torno da tripulação da nave Andarilha e da construção de um túnel espacial que vai permitir ao pequeno planeta do título fazer parte de uma aliança galáctica. Com personagens muito bem elaborados, com aliens que fogem do padrão “humanoide” que vemos aos montes dentro da ficção científica, A longa viagem a um pequeno planeta hostil entrega uma variedade de personagens e temas que faz o coração de qualquer apaixonada por sci-fi bater mais rápido.

Quer uma piloto reptiliana? Tem. Uma estagiária recém-saída da universidade e criada nas colônias de Marte? Tem. Médico de gênero fluido? Também tem. O livro aborda temas clássicos, como amizade, mas vai além, ao trazer questões como o racismo, o poliamor e variados conceitos de família. É muito amor dentro de um livro só! Em tempos conservadores como os que vivemos, é sempre incrível ver a ficção científica realmente tocar nesses assuntos, e fazer isso por meio de um grupo de personagens tão diferentes é ainda melhor.

O livro foi inicialmente financiado através do Kickstarter, e fez tanto sucesso entre os fãs e a crítica que acabou indicado a dois dos maiores prêmios da literatura de ficção científica: o Hugo Awards e o Arthur C. Clark Awards. Com cada vez mais se mulheres auto-publicando, é revigorante ver que o talento delas está sendo reconhecido e abraçado por editoras tradicionais. A longa viagem a um pequeno planeta hostil é o primeiro lançamento de ficção científica da linha DarkLove, que foca em produções escritas por autoras e que já possui títulos como The Kiss of DeceptionSó os animais salvam e Confissões de crematório.

A longa viagem a um pequeno planeta hostil, que chega dia 10 de agosto às prateleiras, tem a já tradicional edição capa dura da DarkSide352 páginas e tradução de Flora Pinheiro – sempre fico feliz quando vejo uma tradutora nos créditos.

Você já pode reservar o seu lugar nessa viagem espacial: o livro está em pré-venda na Amazon!

%d blogueiros gostam disto: