Nas últimas semanas uma onda de notícias sobre o Twitch e sua nova regra para exposição do corpo levantou diversas discussões entre os gamers – me pediram para escrever um pouco sobre isso e, apesar de não acompanhar o twitch, é possível identificar alguns pontos em comum com o modo como o machismo se estabelece dentro do meio nerd de maneira geral.

O texto das novas regras diz”

“Não vestir roupas ou vestir roupas sexualmente sugestivas – incluindo lingerie, roupas de banho, tapa sexo, ou peças intimas – é proibido, assim como troncos totalmente expostos, o que se aplica tanto aos streamers masculinos e femininos. Você pode ter belos abdominais, mas é melhor exibi-lós em uma praia numa partida de volei ouvindo Playing with the Boys”. tradução via JN

Essa discussão toda levantou muito machismo disfarçado de “justiça” e ética (¬¬). Muitas das moças streamers são acusadas de usar decote/seus corpos para chamar público e com isso ganhar muitos views. De acordo com os acusadores essas garotas usam de táticas que os homens não podem usar e por isso seria injusto.

again?

O nome do blog é Colant Sem Decote por causa da mania que o mundo dos super-heróis tem de colocar decotes gigantes em personagens femininas que vão encarar hordas alienígenas com tomaras que caias, calcinhas de metal e saltos altos. Esse design não é baseado na sexualidade da personagem, é baseado na sexualização da figura feminina da personagem como maneira de satisfazer um público masculino. Particularmente, eu não tenho nada contra personagem nenhuma usar decote – contanto que as razões para a sexualização da personagem venham da discussão da sexualidade dela, não como modo de satisfazer a punhetagem dos fanboys.

Muitas dessas pessoas que olham para o anuncio do Twitch e batem palmas, dizendo que por ser para ambos os sexos não é machismo, esquecem de alguns pequenos detalhes. Os seios femininos (porque sim, homens também tem peitos, eles só não são desenvolvidos como os nossos – ou você achava que o mamilo masculino era só um erro de design?) são sexualizados desde antes deles se quer aparecerem. Na praia, meninas de um ou dois anos são muitas vezes vistas usando biquínis de duas peças para esconder sabe-se lá o que. Ao crescerem, antes mesmo de atingirem a puberdade, são presenteadas com sutiãs bonitinhos e com rendinhas. Ao chegarem na adolescência a falta ou o excesso de seios são julgados constantemente – se não tem é tábua, se tem é puta.

Homens podem tirar a camisa e caminhar tranquilamente no calçadão, enquanto mulheres precisam esconder o peito para dar de mamar aos seus filhos porque os mesmos seios que estão alimentando o bebê são considerados órgãos sexuais. Essa próxima notícia pode ser forte – se preparem.

NEWSFLASH: Peito não é órgão sexual e reprodutivo! 

could-netflix-introduce-spider-man-to-the-marvel-cinematic-universe-tobey-maguire-s-ugly-cry-face

Mas e essas meninas que usam o decote para chamar atenção do público e conseguir mais views? Por mais que eu acredite que nós, mulheres, somos levadas a sexualizar os nossos corpos desde muito novas por uma sociedade que visa sempre a satisfação do olhar masculino, e que utilizar a sua sexualidade para conseguir views não é exatamente positivo, se uma garota quer utilizar o seu decote e seu corpo para chamar atenção – o problema é inteiramente dela. Num mundo em que por uma menina está online em um jogo dá ao homem o direito de a assediar e ameaçar, essa garota usar essa mesma sexualização para seu próprio ganho me parece mais do que justo.

make yourself cry

“Mas e a ética de jogo??”Perguntam os indignados! Olha, essa ética toda deve estar no mesmo lugar em que está a ética que questiona porque personagens femininas não precisam usar roupas que cobrem o corpo inteiro mesmo o biquíni de luta delas sendo mágico, no mesmo lugar da que questiona que por ser mulher a jogadora tem que ser unicamente healer, e talvez seja vizinha da ética que não permite aos caras pedirem para ver os peitos da jogadora por razões de: eles querem.

Aliás, conversando com uma das leitoras do blog, ela levantou um ponto que conversa bastante com o que levantei até aqui: homem nenhum tem que dizer pra uma mulher o que ela deve ou não usar. Muita garota tem peito grande e isso não quer dizer que ela deve andar de camisa abotoada até o pescoço 24 horas por dia, e também não quer dizer que se ela resolver usar decote ela está fazendo isso para chamar atenção de homem.

 NEWSFLASH: Nem tudo é sobre vocês, homens. Mal aê. 

giphy

Muito desse chororô que tá rolando vem do fato de que são garotas tomando posse dos seus próprios corpos e utilizando eles como bem quiserem, tirando o poder dos homens sobre eles. Me lembra bastante quando meninas fazem cosplays de personagens hiper-sexualizadas como a Poderosa ou muitas personagens de animes, por exemplo. Nesse caso chovem críticas dizendo que elas estão dando continuidade à sexualização feminina, caras indignados por não terem acesso à essas cosplayers a chamam de putas – pra mim é só um monte de minas pegando o que a sociedade faz de ruim, dando um 180º e se empoderando.

A verdade é que a comunidade é do Twitch, e eles podem implantar a regra que quiserem, mas acho que há aqui uma discussão sobre as razões pelas quais a proibição está acontecendo. Se é para manter um ambiente “saudável”, ou se é motivada pelo machismo nosso de todos os dias. Essa nova política do Twitch pode ser até bem intencionada, mas esconde por trás um machismo que me cheira muito a tal “ética no jornalismo de games”.

anya

%d blogueiros gostam disto: