Hoje meu dia seguia normal até que me deparei com a “pérola” abaixo:

Em princípio eu não sabia nem por onde começar, não sabia o que pensar, o que dizer, apenas sentir. Mas vamos lá.

Muitas de nós já escrevemos o que é ser mulher no famigerado “Mundo Nerd”, mas parece que ainda não foi o suficiente, temos muito caminho a ser percorrido antes de quebrarmos os estereótipos que nos vestem nesse meio.

Vamos começar jogando no Google para contextualizar de forma simples o termo musa :

musa1

substantivo feminino

  1. mit cada uma das nove deusas, filhas de Zeus e Mnemósine, que dominavam a ciência universal e presidiam as artes liberais ☞ inicial por vezes maiúsc.
     
  2. p.ext. a mulher amada, e por vezes imaginária, fonte de inspiração de um poeta, esp. entre os poetas românticos

Agora que já temos por onde começar, vamos falar sobre a pérola que chegou às minhas mãos hoje. O texto se trata da divulgação de uma das atrações da Jedicon-RJ, evento em moldes de Comic Con voltado para o fã de Star Wars. A mulher em questão será a apresentadora do evento.

“Mas Ju, não é legal ter uma mulher apresentando um evento desse porte? E a representatividade de que vocês tanto falam?”

Senta aqui, jovem padawan, e deixa a tia Groselha te explicar: CLARO que é legal ter uma mulher apresentando um evento desse porte e tema. Claro que é. Claro que queremos ouvir o que ela tem a falar. Claro que eu quero que haja mais e mais mulheres em palco de eventos assim, eu já falei isso aqui. Mas vamos esmiuçar o texto para que vocês possam trazer um pouco de equilíbrio à Força.

“No mundinho nerd, a mineira Mariana Mel é uma das musas. A beleza brejeira aliada ao largo conhecimento sobre o universo sci-fi encantam os fãs do gênero”

Ok, meus amigues, ela possui um largo conhecimento sobre o universo sci-fi. Muito bom, mas poderiam ter parado por aí, né? Já foi muito bem dito no aqui no Momentum Saga, que mulher no meio Nerd:

“Além de existir toda uma cultura sexista que prega que mulher boa é “mulher de verdade”.. agora também estão invocando a imagem da “moça nerd de verdade”, idealizada, colocada num pedestal, sem vontades e gostos, prontas para servirem aos nerds de plantão, sendo aprovadas em todos os níveis de nerdices.”

Ou seja, além de termos que frequentemente mostrar a carteirinha de nerd, sendo massivamente questionadas da genealogia de cada personagem, em que edição da HQ de 45 anos atrás o herói ganhou um chaveiro do Pato Donald, ainda temos que fazer jus ao padrão de beleza. Mas só se o nerd puder bater uma pra você ou ter a esperança de estar com você um dia, do contrário você é a vadia que deixou o coitado do Mr. Nice Guy na Friendzone.

Mas voltando ao texto: qual é a necessidade de salientar tanto a aparência da apresentadora? Qual é o ponto de montar no texto de divulgação esse perfil de rainha da festa do milho? Qual a relevância de mencionar que a mulher já teve 15kg a mais na infância e agora é alvo de cobiça? Oi? Será que o Caruso sempre foi magrinho? Não sei se já perguntaram.

“O figurino já foi escolhido: salto alto, minissaia e camiseta temática”

Eu te juro que gostaria de saber se perguntaram ao Caruso qual o modelito ele pretende usar na Jedicon. Eu acho que é um assunto muito relevante, deve ser questionado sem distinção, por que essa misandria com o pobre Caruso?

anigif_optimized-17856-1421411181-11

“Você faz isso com os caras?”

Gente, estamos no final do ano de 2015, a presidente da Lucasfilm, Kathleen Kennedy, olha só, é uma mulher!
Leia Organa é General e não usa mais biquíni de escrava. Force Awakens tem uma mulher como protagonista, tem mulher stormtrooper. O filme tem representatividade, tem mulher atrás e na frente das câmeras, no centro do poster principal!

Entendam. Longe de mim dizer aqui que ela não merece apresentar a Jedicon Rio, nem que ela não entende de Star Wars. Eu não a conheço, não conheço o trabalho dela e não é esse o ponto que está sendo discutido aqui.  Me apego à esperança de que ela foi chamada porque ela é uma pessoa competente para apresentar o evento, pois não tenho motivo algum para duvidar da capacidade dela. Tenho a esperança de que apenas tenha sido um texto de divulgação muito equivocado, porque não é possível (é sim) que as pessoas ainda pensem em uma mulher para apresentar o evento como um chamariz de homem. Não estamos aqui para nos sujeitarmos a sermos ouvidas somente se tivermos um bom “invólucro” para nossa caixinha de opiniões

É por isso que eu espero, de verdade, que errado seja só esse texto. Ela tem que estar no palco porque homens e mulheres terão a oportunidade de ouvir o que ela tem a dizer.

Apenas parem!

 

Para quem quiser saber mais sobre machismo no mundo Nerd e outras coisas:

Momentum Saga

Ana Freitas no Brasil Post

Frida Diria

Anticast

Pac Mãe

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: