[vc_row][vc_column][vc_column_text]Com a demora para o Netflix anunciar a 2ª temporada da série Sense8, a ansiedade domina todo uma população, completamente aficionada pela nova história de ficção científica. Todos nós, em um só pensamento, um só coração, desejamos, um único tweetizinho, um banner bobinho no face, QUALQUER COISA, que contenha as palavras: Sense 8 renovada para 2016.

Enquanto o Netflix brinca com nossos sentimentos, aqui vão alguns vários motivos para renovar:

  1. Inclusão. Justamente por ter 8 personagens diferentes, cada um com seu núcleo e cenário singulares, Sense 8 pode ser uma das séries mais inclusivas a serem feitas. Etnias e culturas diferentes representadas, além de orientações sexuais e identidades de gênero.
  2. O perigo da história única passa longe. Alguém sabe do que estou falando? Se não souberem, recomendo altamente esta palestra de Chimamanda Ngozi Adichie   , sobre estereótipos e a pouca informação que eles passam. Mostrar pequenos detalhes da vida de Capheus e de Sun me fizeram aprender um pouco mais sobre Nairóbi e sobre a Coreia do Sul. Todos já vimos fogos no 4 de julho nos EUA, já mostraram mil vezes na TV. Mas e concerto de piano na Islândia, quem já assistiu essa cena antes?
  3. Não só uma personagem essencial para todos saírem vivos durante a trama, Nomi é a representação de um transgênero que o público precisava. Ela não é sexualizada, como a mídia insiste em representar esse grupo, ela não é heterossexual e mais, ela é altamente competente como pessoa-que-entende-de-internet-e-computador. Agora sempre que alguém vier com dúvida sobre transexualidade, eu só vou virar e falar: “olha essa mulher aqui pra você entender de vez”.

    Divando

  4. O amor de Lito e Hernando. Todas as baladas bregas já compostas poderiam ser sobre esses dois. ONE TRUE PAIRING.

    And I can’t fight this feeling anymore I’ve forgotten what I started fighting for It’s time to bring this ship into the shore And throw away the oars, foreveeeeeeeer

  5. Hetéro, essa cena de sexo não é pra você. E isso é ótimo. Quando eu estava assistindo a série pela 2ª vez, eu contei as cenas de sexo heterossexuais. 3, todas muito curtas e somente uma envolvendo um personagem principal. E isso é ÓTIMO. Passei minha vida inteira sendo agraciada com o que me excita, já estava na hora de algo não fosse feito para pessoas com a mesma orientação sexual que a minha.

    Oi, qual seu whats?

  6. Amanita, coração de Leão. Graças à excelente educação que recebeu de sua mãe adotiva, Amanita é a pessoa a se espelhar na série. Desconstruída até a alma, generosa, e valente pra cara&*$%#. Se quiser me elogiar, diga “corajosa como a Amanita”.

    Eu rio na cara do perigo, muahauhauhua

  7. Solidariedade, lei universal. Eles se ajudam, gente, e eu fico emocionada. Uma série de ficção científica, mas no fundo, é sobre altruísmo.

    Essa foi minha favorita. Eu minto e você bate, ok?

  8. Os irmãos Wachowski e o co-criador Straczynski já têm as 5 temporadas planejadas. Sabiam disso? Eles tão com a historinha toda estruturada já, com começo, meio e fim.  Só.precisa.do.aval.do.Netflix.
  9. Os pares que faltaram: Will e Riley, Wolfgang e Kala tenham lots of sex and babies, if you please.

    Eles foram os primeiros a se encontrar pessoalmente, acho mó legal

  10. Aposte na magrela. Queremos ver Sun chutar a bunda do Whispers e salvar a todos no final.

    É fácil, só furar os olhos dele, né Sun?

  11. Passar um recado para as emissoras, autores, produtoras, tudo e todos: que o público não se interessa mais pelo herói branco estadunidense. Representatividade, a palavra do século 21.

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column][/vc_column][/vc_row]

%d blogueiros gostam disto: